Lagarde pede a líderes mundiais que resolvam ameaças económicas provocadas pelo homem

  • Lusa
  • 20 Setembro 2019

Futura governadora do Banco Central Europeu descreve a expansão da economia como "bastante medíocre" e pede aos líderes que trabalhem juntos para tentar resolver as "fragilidades e as incertezas".

A diretora-geral cessante do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, sublinhou esta quinta-feira que o crescimento global está “frágil e ameaçado” devido, em parte, à guerra comercial e ao ‘Brexit’.

Numa entrevista exclusiva à agência de notícias France-Presse (AFP), em Washington, a futura responsável do Banco Central Europeu descreveu a expansão como “bastante medíocre” e pediu aos líderes que trabalhem juntos para tentar resolver as “fragilidades e as incertezas”.

“Quer se trate de relações comerciais, do Brexit, ameaças tecnológicas, estes são problemas criados pelo homem e que podem ser resolvidos pelo homem”, vincou Lagarde, observando que “um pouco de feminilidade não seria prejudicial”.

No final de julho, o FMI tinha reduzido a previsão de crescimento global para 3,2%. Desde então, advertiu que as tensões comerciais podiam desacelerar ainda mais a atividade económica.

Por seu lado, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) previu que o crescimento global em 2019 seja “o mais baixo desde a crise financeira”, depois de ter caído para 2,9% em 2008, e para -0,5% no ano seguinte.

Questionada se poderá fazer mais para convencer os líderes quando assumir o BCE, em novembro, Christine Lagarde assegurou que vai continuar “determinada a garantir” o foco na “criação de emprego, na produtividade e na estabilidade”.

No entanto, sublinhou que as instituições monetárias devem ser “previsíveis e respeitar factos e dados económicos”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lagarde pede a líderes mundiais que resolvam ameaças económicas provocadas pelo homem

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião