Prejuízos da TAP chegam aos 120 milhões de euros no primeiro semestre

Os primeiros seis meses do ano na companhia aérea portuguesa foram marcados pelo aumento dos prejuízos. De 26,4 milhões de euros, no primeiro semestre de 2018, passaram a 119,7 milhões.

O primeiro semestre do ano da TAP foi marcado pelo aumento dos prejuízos. As perdas da companhia aérea portuguesa chegaram quase aos 120 milhões de euros: 110,7 milhões referentes ao primeiro trimestre e nove milhões relativos ao segundo trimestre. Os valores comparam com os 26,4 milhões de euros de prejuízos que a empresa registou no período homólogo.

Em comunicado, a empresa explica que o resultado negativo dos primeiros três meses do ano foi “impactado, principalmente pela quebra de receitas de passagens do Brasil”, bem como pelo “aumentos dos custos com pessoal, em resultado das novas contratações e das revisões salariais negociadas em 2018”.

Já no segundo trimestre, a TAP salienta que houve uma “tendência de recuperação”, uma vez que os prejuízos diminuíram para os nove milhões de euros. “A recuperação registada no segundo trimestre, com as perspetivas que o comportamento dos mercados chave da TAP mostram para o segundo semestre, as reservas registadas no sistema da companhia e os benefícios crescentemente alcançados com a renovação da frota, deixam a expectativa de atingir este ano um resultado operacional melhor do que em 2018″, salienta a empresa liderada por Antonoaldo Neves.

Os custos operacionais, por sua vez, reduziram 8,8% face ao período homólogo, enquanto o EBITDA — lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização — registou um crescimento de 19,5%.

Número de passageiros atinge novo recorde

Os prejuízos aumentaram, mas também o número de passageiros cresceu. A companhia aérea atingiu mesmo um novo recorde, tendo transportado 7,9 milhões de clientes nos primeiros seis meses do ano. O número representa um crescimento de 4,8% face ao período homólogo.

O aumento do número de passageiros foi, contudo, mais intenso durante os meses de julho e agosto, altura em que o crescimento foi de 11,5%, comparando com igual período do ano anterior.

Com o investimento na expansão e renovação da sua frota, a TAP terminou o primeiro semestre com 106 aviões e oito novos mercados, com destaque para o início das operações no Médio Oriente (rota de Telavive) e o reforço do investimento nos Estados Unidos da América (EUA), nomeadamente em São Francisco, Chicago e Washington.

(Notícia atualizada às 20h16)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Prejuízos da TAP chegam aos 120 milhões de euros no primeiro semestre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião