TAP integra mais de 500 trabalhadores no acordo de empresa já este mês

TAP chega a acordo com sindicatos e vai integrar no Acordo de Empresa mais de 500 trabalhadores com contrato individual de trabalho. Companhia aceita também criar mais dois subníveis nas carreiras.

O Grupo TAP chegou a acordo com cinco sindicatos para alargar as carreiras profissionais na empresa e integrar centenas de trabalhadores no Acordo de Empresa (AE). Esta mudança avança ainda em setembro e, apurou o ECO junto de duas fontes, levará à integração no AE e respetivas carreiras profissionais de mais de 500 profissionais hoje ligados à TAP através de contratos individuais.

“É bom para todos. Para os trabalhadores, para a empresa e para os sindicatos, que acabam por ver uma reivindicação antiga atendida”, comentou José Sousa, membro da direção do Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (SITAVA), depois de questionado pelo ECO sobre este acordo. Segundo o mesmo responsável, a “TAP comprometeu-se a avançar com a integração já em setembro”.

Para a empresa traz capacidade de organização, já que durante anos a TAP foi contratando para categorias que não existem na empresa e agora finalmente concordou em integrá-los nas carreiras existentes. Chegaram à conclusão que se estava a chegar ao ponto de alguma ingovernabilidade”, acrescentou o dirigente do SITAVA. “Quando são 10 ou 20 trabalhadores nesta condição, numa empresa da dimensão da TAP, ainda se gere, quando se chegam a muito mais, centenas, fica ingovernável.”

Além do SITAVA, as negociações que levaram à assinatura do protocolo para a integração destes trabalhadores no AE do Grupo TAP contaram igualmente com o Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Aviação Civil (SINTAC), o Sindicato dos Quadros da Aviação Comercial (SQAC), o Sindicato das Indústrias Metalúrgicas e Afins (SIMA) e o Sindicato dos Técnicos de Handling de Aeroportos (STHA).

Em comunicado conjunto, que não refere o número de trabalhadores que serão abrangidos, estas estruturas sindicais sublinharam que o protocolo “vai, finalmente, acabar na TAP com a chamada gestão individualizada (contratos individuais de trabalho) e integrar no Acordo de Empresa todos os trabalhadores da TAP, sem perda de qualquer remuneração ou direito”. Conforme explicou José Sousa ao ECO, nenhum trabalhador será penalizado — ou beneficiado — em termos pecuniários pela integração no AE, mesmo que acabe colocado numa categoria profissional que fique abaixo do seu corrente salário — garantia que os sindicatos irão “acompanhar” de perto.

Na quase totalidade dos casos, os mais de 500 trabalhadores que vão passar a estar abrangidos pelo Acordo de Empresa já se encontravam na companhia com contratos sem termo, mas agora verão a sua carreira devidamente enquadrada numa das categorias profissionais do grupo e, por arrasto, nos sistemas de progressões automáticas previstos pelo AE.

No âmbito destas conversações entre a TAP e os sindicatos, que, aliás, o dirigente do SITAVA elogiou pela forma pacífica como decorreram e pela posição assumida pela transportadora aérea durante as mesmas, as partes conseguiram igualmente chegar a acordo para avançar com alterações das carreiras profissionais na TAP, que agora ganham dois subníveis acelerando o acesso a ganhos intermédios por parte dos trabalhadores.

As carreiras na TAP estão divididas em escalões, do zero ao oitavo (e em alguns casos até ao nono), e mais do que acrescentar novos níveis, a empresa e os sindicatos concordaram em criar dois subníveis intermédios. Esta foi a forma encontrada pelas partes para que algumas progressões de nível, que demoram 36 meses, tenham agora um degrau intermédio ao fim de 18 meses, o que permite antecipar também alguns ganhos igualmente intermédios para os trabalhadores — contudo, tanto esta alteração, como o da integração de trabalhadores no AE, não deverá ter impacto imediato nos custos salariais do grupo.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

TAP integra mais de 500 trabalhadores no acordo de empresa já este mês

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião