Privados estão a transformar estações do comboio em fábricas, hotéis e papelarias, diz IP

  • Lusa
  • 6 Setembro 2019

Em dois anos foram investidos 20 milhões de euros de privados na recuperação de estações e outro património ferroviário para fins diversos, de acordo com a Infraestruturas de Portugal.

A Infraestruturas de Portugal (IP) divulgou esta sexta-feira que em dois anos foram investidos 20 milhões de euros de privados na recuperação de estações e outro património ferroviário para fins diversos como fábricas ou papelarias.

O vice-presidente da empresa, Carlos Fernandes, indicou à Lusa que “a IP Património tem hoje mais de mil contratos em execução que dizem respeito a património ferroviário que não é necessário para a exploração direta ferroviária e que é utilizado para outros fins, desde pequenas tabacarias, papelarias, hósteis, hotéis, uma fábrica de chocolates”, entre outros exemplos.

Carlos Fernandes afirmou que a imagem de abandono do património que povoa as linhas ferroviários desativadas está a mudar com “centenas de contratos pelo país todo de recuperação, quer dos próprios canais ferroviários que estão a ser transformados em ciclovias” quer dos edifícios.

“Estamos a falar de cerca de mil quilómetros de canal ferroviário que hoje em dia não têm utilização ferroviária, quase 300 quilómetros desses canais já estão a ser utilizados como ecopistas, várias outras centenas estão já contratualizados quer com CIM [Comunidades Intermuncipais] quer com municípios”, concretizou.

Segundo disse, associado a esses canais também estão a ser feitos os investimentos privados de recuperação do próprio património já referidos que, “nos últimos dois anos mobilizaram cerca de 20 milhões de euros para recuperar o património que estava sem uso ferroviário”.

O cenário de abandono, garantiu, “é uma situação que está progressivamente a ser alterada” com os exemplos citados e também o de Mirandela, onde hoje a IP assinou com a câmara municipal o contrato de comodato para reabilitar a degradada estação centenária da cidade transmontana.

Outro exemplo apontado pelo vice-presidente da IP foi o protocolo com a CIM do Alentejo Central que envolve cerca de 200 quilómetros de antigos canais ferroviários, que estão a ser associados a 700 quilómetros de caminhos pedonais para criar no seu conjunto uma rede ciclável e pedonal. “Isto está a acontecer um pouco por todo o país”, sublinhou.

Este tipo de acordos não implica retorno financeiro para a IP, ao contrário de outros em zonas mais urbanas, como a concessão de uma parte antiga da estação de Santa Apolónia, em Lisboa, para um hotel, ou as antigas instalações industriais, também na zona de Santa Apolónia, onde vão ser construídos 130 apartamentos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Privados estão a transformar estações do comboio em fábricas, hotéis e papelarias, diz IP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião