Rui Rio: “Se fosse para ser só deputado, não estava nas listas. Já passou essa etapa da vida”

  • ECO
  • 12 Setembro 2019

O líder do PSD assume que o seu lugar vai a jogo nas Legislativas e que seria "muito mau" ter apenas 20% dos votos. E defende como “natural” a formação de uma “coligação estratégica" com CDS.

O líder do PSD, Rui Rio, considera que uma votação próxima dos 20% seria um “resultado muito mau” para os sociais-democratas, admitindo que o seu lugar enquanto líder do partido estará obviamente em jogo em outubro.

“Se o PSD tiver um resultado baixíssimo o que ficaria lá a fazer? Em cada resultado eleitoral, seja qual for, joga-se sempre o futuro de qualquer líder partidário, em qualquer parte do mundo”, referiu em entrevista à Antena 1. Mas lembrou que no mundo das sondagens “umas são mais encomendadas outras menos”. E aproveitou para desafiar os responsáveis destas sondagens: “Quero ouvi-los no dia seguinte às eleições.”

Mas não é só o seu lugar como líder do PSD que estará a jogo, já que a própria presença de Rui Rio no Parlamento como “mero” deputado está longe de certa. “Propus-me a líder do PSD e a primeiro-ministro do país, não a deputado”, explicou ao longo da entrevista. E apontou que seria hipocrisia dizer qualquer coisa que não a verdade: “As pessoas na política gostam do politicamente correto e daquela hipocrisia de dizer ‘ah, isto é o sonho da minha vida’, eu sou sincero. O que me move não é ser deputado, é ser primeiro-ministro. Não vale a pena mentir.”

"Propus-me a líder do PSD e a primeiro-ministro do país, não a deputado.”

Rui Rio

Presidente do PSD

Questionado diretamente sobre se em caso de derrota assumiria e cumpriria o mandato de deputado, Rio detalhou que “há muitos lugares na política” e que “em cada momento da vida sentimos mais vocação para isto ou aquilo”, pelo que, explicou, “se fosse para ser só deputado, eu não entraria nas listas. Já passou essa etapa”. Ou seja, e em caso de derrota, Rui Rio tomará posse como deputado, mas não garante que cumpre o mandato.

Já sobre os diferentes cenários que poderão sair das Legislativas de outubro, o líder do PSD explicou que admite procurar uma coligação com o CDS para formar Governo caso os resultados assim o permitam, mas algo “com sentido estratégico, não uma ‘geringonça'”. Com o CDS, detalhou, é “fácil” encontrar um sentido estratégico. Contudo, o líder do PSD não nega à partida uma ‘geringonça’ à direita com mais partidos.

“Foi o PS que inaugurou esta nova etapa da democracia, em que o primeiro-ministro não é indicado pelo partido mais votado”, referiu à Antena 1. Sobre avançar pelo mesmo caminho com o CDS e outros partidos à direita, Rio apontou que “será necessário ver os resultados” e que, ao contrário do CDS em que a coligação “será fácil”, com outros partidos à direita “será preciso pensar duas vezes”.

Devemos perceber que reformas de fundo sem o PS ou o PSD não são possíveis. Isto pressupõe que tem de ser mais do que apenas com os ‘dois grandes’, antes o mais alargado possível.

Rui Rio

Presidente do PSD

Para o líder do PSD, é do interesse de qualquer Governo “fazer compromissos com outros partidos” para avançar em temas em que o consenso alargado é uma necessidade. Mas estes terão sempre de ter o PS e o PSD. “Não podemos ser hipócritas, devemos perceber que reformas de fundo sem o PS ou o PSD não são possíveis. Isto pressupõe que tem de ser mais do que apenas com os ‘dois grandes’, antes o mais alargado possível.”

Já questionado sobre se o eleitorado do PSD vê com bons olhos esses consensos alargados, Rui Rio respondeu que “sim”, mas diferenciou o eleitorado e a “massa associativa” dos partidos. “Os militantes talvez não. Mas eu não olho para a política e para o sistema partidário como se olha para o futebol”, rematou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rui Rio: “Se fosse para ser só deputado, não estava nas listas. Já passou essa etapa da vida”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião