Brexit: Indústria automóvel europeia adverte para efeitos catastróficos de saída sem acordo

  • Lusa
  • 23 Setembro 2019

O presidente da associação da indústria automóvel alemã considera que as indústrias do Reino Unido e da UE "seriam gravemente penalizados" pela aplicação de taxas e impostos às peças e veículos.

A indústria automóvel europeia advertiu esta segunda-feira para os efeitos catastróficos de um potencial Brexit sem acordo, considerando que um “no deal” representaria um “sismo” no fabrico de veículos na Europa.

“A partida do Reino Unido da União Europeia (UE) sem acordo desencadearia um sismo para as condições comerciais, com o risco de milhares de milhões de euros de impostos afetarem a escolha dos consumidores dos dois lados [do canal] da Mancha”, refere a Associação Europeia dos Construtores Automóveis (ACEA) e 21 associações nacionais num comunicado conjunto.

“O Brexit não é só um problema britânico, estamos todos preocupados na indústria automóvel europeia”, declarou Christian Peugeot, presidente do Comité de construtores de automóveis franceses (CCFA), citado no comunicado.

As indústrias automóveis da UE e do Reino Unido precisam de um comércio sem feridos e seriam gravemente penalizados pela aplicação de taxas e impostos administrativos sobre as peças e os veículos”, estima Bernhard Mattes, presidente da associação da indústria automóvel alemã (VDA), que insta Londres e a UE a tomarem “todas as medidas necessárias para evitar um Brexit sem acordo.

As associações de construtores europeus avaliam em cerca de 5,7 mil milhões de euros o sobrecusto associado aos direitos aduaneiros adicionais em caso de Brexit sem acordo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Brexit: Indústria automóvel europeia adverte para efeitos catastróficos de saída sem acordo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião