Têxtil é um dos setores mais afetados pelo Brexit. Guerra comercial ensombra ainda mais o futuro

Exportações de têxtil e vestuário alcançam recordes em 2018, mas este ano a tendência de crescimento já se inverteu. Brexit e guerra comercial entre os EUA e China estão a criar clima de incerteza.

As exportações de têxteis e vestuário atingiram um volume recorde de 5.314 milhões de euros em 2018, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (INE). Mas, a incerteza que se vive devido ao Brexit e à guerra comercial entre a China e os Estados podem afetar exportações de têxtil e vestuário em Portugal.

Os dados das exportações relativos aos primeiros sete meses do ano dão já sinais de abrandamento. De janeiro a julho, Portugal exportou 3.207 milhões de euros, ou seja, uma redução de 0,9% face ao período homólogo. E foi no segmento dos têxteis lar que a quebra foi mais significativa (-3,3%).

O presidente da Associação Nacional das Indústrias do Vestuário e Confeção (Anivec), César Araújo, reconhece que “poderá haver uma pequena redução nas exportações de têxtil e vestuário” e salienta que a queda está relacionada com o sentimento de instabilidade que se vive na Europa.O Brexit e a guerra comercial entre os EUA e a China estão a provocar um sentimento de instabilidade na Europa e no mundo e este sentimento negativo poderá afetar o consumidor final”, destaca.

Um estudo publicado pelo CESifo, uma rede de investigação ligada ao Ifo alemão, sediada em Munique, revela que perante um cenário de hard Brexit o setor têxtil seria o mais afetado em Portugal. A economia portuguesa perderia 1,2% e o emprego recuaria 0,7%, o equivalente a mais de 29 mil postos de trabalho, sublinha o estudo referido por Marques Mendes no seu comentário semanal na Sic. Esta conclusão vai ao encontro de um outro estudo da CIP, que também apontava o setor têxtil como um dos que mais riscos enfrenta com a saída do Reino Unido na União Europeia.

O diretor geral da Associação Têxteis de Portugal (ATP), Paulo Vaz, concorda que a indústria já sente essa instabilidade desde o referendo e explica o porquê. “Primeiro porque a desvalorização da libra prejudica imediatamente as exportações para aquele país, depois porque a incerteza face ao futuro determina quebras de consumo interno”, refere. Relativamente à guerra comercial entre as duas potências mundiais, Paulo Vaz salienta que “criam alta instabilidade e incerteza, provocando o arrefecimento das economias à escala global, com prejuízo do consumo privado. É o que está a suceder”.

Está a criar-se uma situação de tempestade perfeita que deve preocupar-nos de forma séria, obrigando-nos a tomar medidas, nomeadamente intensificar as iniciativas nos mercados externos, em feiras e missões.

Paulo Vaz

Diretor geral da Associação Têxteis de Portugal (ATP)

Aliás, o Fundo Monetário Internacional (FMI) alertou, esta quinta-feira, que a guerra comercial entre os EUA e a China deixou de ser uma ameaça e está já a “abrandar” o dinamismo da economia mundial, que evolui a um ritmo “relativamente lento”. Nas suas últimas estimativas sobre o possível impacto das tarifas impostas mutuamente entre as duas maiores economias mundiais, o FMI calculou que a guerra comercial poderia reduzir o PIB mundial em cerca de 0,8% em 2020 e levar ainda a mais perdas nos anos seguintes.

Os têxteis já estão a sofrer com esse abrandamento. “Pessoalmente acho que este ano não vai ser tão bom como os anteriores. Os primeiros cinco meses do ano pareciam apontar nesse sentido, mas o mês de junho foi mau e inverteu a tendência positiva. Vamos ver como será a reentrada após férias”, destaca ao ECO Paulo Vaz.

O mês de junho trouxe uma queda acentuada nas exportações da indústria têxtil e vestuário. Em comparação com junho do ano passado, as empresas portuguesas da indústria têxtil e vestuário venderam menos 60,6 milhões de euros, baixando o total exportado para 415,9 milhões de euros. Ou seja, uma quebra homóloga de 12,6%. É verdade que, em julho, Portugal exportou 531,4 milhões de euros de têxteis e vestuário, um valor mensal que não era conseguido desde julho de 2002, mas o resultado não foi suficiente para compensar os resultados negativos do mês anterior.

Apesar da quebra, as exportações do têxtil e vestuário continuam a ser o principal foco de muitas empresas. De acordo com o INE, Portugal ocupa o 23.º lugar no ranking dos principais exportadores mundiais de vestuário, que é liderado pela China.

A Riopele é uma das empresas que tem contribuído para o crescimento das exportações deste setor. A propósito da incerteza que se faz sentir na Europa e no mundo, José Oliveira, presidente do conselho de administração da Riopele considera que “está a ser criado um clima especialmente adverso e pouco propício ao investimento e ao consumo”. No entanto, o responsável por uma das mais antigas empresas de têxteis portuguesas e que exporta 98% do que produz acredita que o “diferendo comercial entre os EUA e a China será entretanto resolvido para o bem da economia global.”

Espanha é o principal destino dos têxteis e vestuário

Apesar desta instabilidade vivida na Europa, Espanha continua a liderar o ranking dos principais destinos das exportações nacionais de têxtil e vestuário. Segundo o estudo Comércio Internacional de Têxteis e Vestuário 2008-2018, estas exportações cresceram 2,7% e as importações 2,1%, em relação ao ano anterior. O que representa um saldo positivo de 31 milhões de euros. O setor do vestuário (60%) tem um peso superior ao têxtil (40%) no que respeita à exportação, de acordo com o mesmo estudo.

Países como a Espanha e a França estão no top três dos principais destinos das exportações portuguesas de têxteis e vestuário, mas é o país vizinho quem lidera. O presidente da Anivec frisa que “Espanha é o parceiro de excelência” e que é necessário “apostar em novos mercados, mas nunca descurar a Europa, porque é e sempre foi o principal mercado” das exportações nacionais.

O diretor geral da ATP, Paulo Vaz, acrescenta que Espanha representa 30,4% da quota total, seguido de França (13,5%) e Alemanha (8,5%). Todavia, as exportações de têxtil e vestuário para o mercado espanhol sofreram uma quebra de 3,9% (ou 68 milhões de euros), para perto de 1.700 milhões de euros, no final de 2017.

Destino das exportações de vestuário 2017 – 2018.

O presidente do conselho de administração da Riopele garante que a “empresa não sentiu essa quebra do mercado espanhol“. Mas o diretor geral da ATP confirma que não foi esse o caso para muitas empresas nacionais e justifica o motivo. A razão da quebra de Espanha tem sido o desinvestimento da Inditex em produzir em Portugal, especialmente encomendas de preço mais baixo. Portugal para os produtos mais básicos é caro e a Inditex tem desviado produção para a Turquia e Marrocos”.

Espanha, França e Alemanha no top 4 das exportações de têxteis e vestuário

Em Portugal os principais destinos das exportações de têxteis são Espanha (19,4%), França (11,6%) e os EUA (9,8%). Seguido da Alemanha (8,6%) e do Reino Unido (6,6 %) que no ano 2000 ocupava a primeira posição do ranking.

Destino das exportações de têxteis 2017 – 2018.

Já na exportação de vestuário os principais destinos são também Espanha (que representa uma quota de 40,2%), seguido de França (13,2%), Alemanha (8,3%), Reino Unido (8,2%) e Itália (6,8%). Os EUA surgem na sétima posição (3,6%). César Araújo refere que os EUA são um mercado importante para Portugal, mas destaca que a “instabilidade política que se vive na América é uma preocupação para a indústria”.

Itália passou de primeiro lugar para sexto, no período de 2008-2018, no que respeita à exportação de têxteis. Para José Oliveira, “na última década, o mercado italiano sofreu muito, em parte, consequência do modelo produtivo e de negócio instalado em Itália, que funciona bem dentro do mercado interno, mas não é competitivo, flexível e rápido para a situação atual das exportações”.

O setor dos têxteis representa 2% das empresas nacionais, mas empregam 5% dos trabalhadores, segundo dados do Banco de Portugal. Segundo o estudo divulgado pelo gabinete de estratégia e estudos do ministério da economia, em 2018, nas exportações de têxteis foram os componentes têxteis-lar (32,2%), seguidos dos outros têxteis (30,1%), tecidos (24,9%) e fibras e fios (12,9%), que tiveram mais saída.

No que diz respeito às importações, Espanha (18,2%), Itália (13,3%) e Índia (9,9%) são os principais mercados de importação dos têxteis. No vestuário Espanha (52,8%), Itália (9,4%) e França (9,1%) são os principais mercados.

A indústria têxtil e vestuário esteve para morrer ao olhos do Governo. A verdade é que está de pé e só não somos mais fortes porque o poder político nunca acreditou no setor.

César Araújo

Presidente da Associação Nacional das Indústrias do Vestuário e Confeção (Anivec)

O presidente da Anivec lamenta a falta de apoio por parte do Governo e alerta para uma grande falha no setor têxtil e vestuário. “Um dos nossos maiores problemas é falta de recursos humanos qualificados”, destaca. Alerta que cabe ao Governo apoiar o setor e lamenta que “o poder politico nunca tenha acreditado no setor, não tenha incentivado os jovens a enveredarem por esta indústria”. Por isso, “hoje, a falta de recursos humanos é uma das maiores dificuldades”.

Calculados os números, Portugal tem uma balança comercial positiva no setor dos têxteis e do vestuário. O que significa que o valor das exportações é superior ao das importações. O setor representa desde 2012 um saldo positivo da ordem dos mil milhões de euros. Só no setor do vestuário, entre 2012 e 2018 a balança comercial rondou os mil milhões de euros, segundo o estudo Comércio Internacional de Têxteis e Vestuário 2008-2018.

Em contrapartida, o setor dos têxteis teve uma balança comercial deficitária entre 2008 e 2011, conquistando um saldo ligeiramente positivo a partir de 2012. Desde a entrada da China na Organização Mundial do Comércio com a consequente liberalização das trocas comerciais neste setor, Portugal enfrentou uma quebra nas exportações e muitas empresas nacionais acabaram por fechar portas. Mas, esta indústria tradicional não morreu e reagiu. Tem vindo a apostar na qualidade, na inovação e no design deixando o segmento em que a concorrência se faz pelo preço para apostar em produtos com maior valor acrescentado.

César Araújo confirma que Portugal tem vindo a fazer uma aposta na inovação e no design e afirma que “Portugal tem umas das melhores cadeias de abastecimento de valor de produtos acrescentados no mundo”. Considera que o caminho é reinventar a indústria, apostando na sustentabilidade das empresas, certificações, evolução na cadeia de valor e uma forte aposta no retalho. “É um caminho difícil mas temos de começar a dar esse passo. Temos de nos afirmar como um país de moda e não só como um país industrial”, conclui.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Têxtil é um dos setores mais afetados pelo Brexit. Guerra comercial ensombra ainda mais o futuro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião