PS e PSD concordam: É preciso penalizar fiscalmente empresas com salários mais desiguais

PS e PSD concordam: é preciso penalizar, do ponto de vista fiscal, as empresas com maiores diferenças entre os salários mais baixos e os mais altos.

António Costa e Rui Rio estão de acordo em, pelo menos, um ponto: é preciso penalizar, a nível fiscal, as empresas nas quais o fosso entre os salários mais altos e os mais baixos é mais significativo. “Quando uma empresa começa a progredir, [a melhoria] não pode ser só para os administradores, tem de ser para o pessoal todo”, defendeu, esta segunda-feira, o líder social-democrata, no último frente a frente com o líder socialista. António Costa frisou, por sua vez, que no programa do PS também está prevista uma medida com traços semelhantes.

“Se quiserem pagar a um administrador um milhão, dois milhões por ano, a empresa é livre de pagar. Agora, se a diferença entre os salários mais altos e os salários mais baixos for acima de um ‘x’, a empresa passa a ser penalizada do ponto de vista fiscal ou parafiscal“, sublinhou Rui Rio, no debate que foi transmitido, esta manhã, em direto e em simultâneo pela TSF, Antena 1 e Rádio Renascença.

O líder do PSD não adiantou, contudo, que diferença máxima seria essa que daria azo à penalização das empresas. No programa eleitoral, o PSD refere que “encara a possibilidade de estabelecer, por via legal, um rácio que defina um leque salarial, que seja equiparado ao que se pratica, em média, na União Europeia“, penalizando fiscalmente as empresas “que não cumpram essa orientação”.

Ora, seguindo a média comunitária, a diferença máxima entre a remuneração mais baixa e a mais alta deveria ser seis vezes mais, mas Rui Rio salientou que esse limite ainda não está fechado. “Não é seis vezes mais, pode ser mais”, disse. “Isso é um programa político, não é propriamente uma análise técnica da situação”, acrescentou.

“Consta do programa eleitoral do PS uma medida que desconsidera fiscalmente — deixa de considerar como despesa da empresa — os salários de topo que excedam aquilo que é o rácio das desigualdades em Portugal“, frisou, por sua vez, António Costa.

No programa socialista, está prevista a seguinte medida: “Desenvolver uma política de combate às excessivas desigualdades salariais, através de estímulos concretos à melhoria dos leques salariais de cada empresa a partir da referência do indicador de desigualdade S80/S20, quer penalizando, no plano fiscal e contributivo, as empresas com leques salariais acima do limiar definido e, pelo contrário, beneficiando as que tiverem uma trajetória positiva em contexto de valorização salarial, quer ponderando a limitação de elegibilidade como custo fiscal dos salários de cada empresa que se situem significativamente acima deste indicador de desigualdade“.

Também o Bloco de Esquerda tem, no seu programa eleitoral, uma medida sobre esta matéria, propondo a definição de leques salariais e a penalização das empresas que ultrapassem esses limites. “As empresas que ultrapassem esse leque serão excluídas de qualquer apoio público e benefício fiscal, bem como excluídas da possibilidade de participar em arrematações e concursos públicos”, lê-se.

Este frente a frente entre António Costa e Rui Rio foi o último entre os líderes dos dois maiores partidos, nesta corrida à Assembleia da República. Esta noite, está marcado um debate entre os seis partidos com assento parlamentar que são candidatos às legislativas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PS e PSD concordam: É preciso penalizar fiscalmente empresas com salários mais desiguais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião