Cortes previstos para coesão são o “melhor cenário possível”, diz Elisa Ferreira

  • Lusa
  • 27 Setembro 2019

Para Elisa Ferreira, "tendo em conta o contexto desafiante, com o Brexit e outras prioridades urgentes para o orçamento da UE", os cortes na política de coesão são "moderados".

A comissária designada por Portugal, Elisa Ferreira, considera que os cortes na política de coesão previstos na proposta da Comissão Europeia para o orçamento comunitário 2021-2027 são “moderados” e “o melhor cenário possível”, face ao atual contexto.

A opinião da comissária designada pela presidente eleita Ursula von der Leyen para a pasta da Coesão e Reformas consta das respostas dadas às perguntas escritas que lhe foram dirigidas pelas comissões do Parlamento Europeu competentes pela audição da próxima quarta-feira, e esta sexta-feira publicadas pela assembleia.

Uma das questões colocadas referia-se à proposta apresentada em maio passado pelo executivo comunitário para o próximo quadro financeiro plurianual, que, sublinham os eurodeputados, contemplam cortes de 10% para a política de coesão, comparando com o atual orçamento 2014-2020, além de uma redução das taxas de cofinanciamento da UE.

Apontando que “o parlamento, pelo contrário, propõe que seja mantido o atual nível de financiamento e, pelo menos, as presentes as atuais taxas de cofinanciamento”, os eurodeputados perguntaram então à comissária designada “qual a sua apreciação” deste cenário.

“Vai estar do lado do Parlamento, das regiões e dos cidadãos, e lutar por um orçamento robusto e opor-se a quaisquer cortes propostos pelo Conselho?”, questionaram.

Na resposta, Elisa Ferreira começa por referir que “a Europa enfrenta muitos desafios, das alterações climáticas e mudanças tecnológicas às desigualdades”, desafios esses “com uma forte dimensão regional e local”, lembrando ainda o processo de saída do Reino Unido da União Europeia e as suas implicações no orçamento comunitário.

“Neste contexto, considero que o quadro financeiro para o pós-2020 proposto pela Comissão em maio de 2018 é adequado, dados os constrangimentos existentes. Os cortes moderados propostos para a política de coesão são o melhor cenário possível, tendo em conta o contexto desafiante, com o ‘Brexit’ e outras prioridades urgentes para o orçamento da UE”, respondeu a comissária designada.

Elisa Ferreira argumenta que o mais importante é “assegurar que os recursos continuam focados nos Estados-membros e regiões mais pobres” e opina que “a proposta da Comissão assegura que os meios permanecem fortemente concentrados” nesses países e regiões.

“A distribuição de recursos deve igualmente refletir a evolução das disparidades da Europa. É por isso lógico que naqueles Estados-membros e regiões onde se registou um progresso económico considerável o apoio da política de coesão diminua gradualmente. No sentido oposto, onde as condições pioraram, por vezes de forma dramática, o apoio está a aumentar ligeiramente”, acrescenta.

Relativamente às taxas de cofinanciamento, a comissária designada diz ser “importante lembrar que estas foram aumentadas em 2009, numa altura de crise económica, para assegurar a continuidade do investimento nas regiões atingidas duramente pela crise”, e devem agora ser reduzidas de novo, “dada a melhoria das condições orçamentais na UE, de modo a regressar a um melhor equilíbrio entre solidariedade e responsabilidade”.

Elisa Ferreira defende, por outro lado, a urgência de um acordo nas negociações colegislativas sobre o pacote legislativo da política de coesão pós-2021 relativamente a “todos os elementos necessários para a programação dos fundos”, necessariamente até ao final do corrente ano, “para dar certeza às autoridades” responsáveis pela sua planificação.

“Juntamente com os meus serviços, estou fortemente comprometida em tudo fazer para ajudar a acelerar as negociações colegislativas e dar o máximo apoio às autoridades para a programação dos fundos”, escreveu nas respostas aos eurodeputados.

De acordo com os regulamentos, as comissões parlamentares competentes submetem perguntas escritas aos comissários indigitados antes da realização das audições, sendo este procedimento escrito o primeiro passo do processo de escrutínio e avaliação da aptidão e competência dos candidatos a comissários.

A comissária indigitada para a pasta da Coesão e Reformas, Elisa Ferreira, será ouvida na próxima quarta-feira, 2 de outubro, pelos eurodeputados das comissões do Desenvolvimento Regional (comissão competente), dos Orçamentos e dos Assuntos Económicos e Monetários (comissões associadas), que no dia seguinte emitirão o seu parecer.

Durante a audição, que deverá prolongar-se por três horas – no caso de Elisa Ferreira, entre as 18:30 e 21:30 locais, menos uma hora em Lisboa -, serão colocadas 25 perguntas orais pelos eurodeputados (um minuto por pergunta), tendo os candidatos a comissários direito a três minutos para responder a cada questão.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cortes previstos para coesão são o “melhor cenário possível”, diz Elisa Ferreira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião