Alice, um avião elétrico israelita com design português

Elétrico e israelita, o Alice tem capacidade para nove passageiros e autonomia de até mil quilómetros. Todo o design, conceito e produção dos interiores pertence à empresa portuguesa Almadesign.

Chama-se Alice, é um avião comercial totalmente elétrico, fabricado pela empresa israelita Eviation mas… com design português. A Almadesign é a empresa responsável por todo o desenho, conceito e produção dos interiores deste avião elétrico. O Alice mede apenas 12 metros, tem três hélices, capacidade para nove passageiros e autonomia para fazer viagens de até mil quilómetros.

A empresa portuguesa, com mais de 20 anos de existência, começou por conceber o design da cabine e acabou por criar todo o interior do avião elétrico. “À medida que foram confiando no trabalho que estávamos a desenvolver, foram-nos atribuídos mais projetos”, refere com orgulho o CEO & Design Manager na Almadesign, Rui Marcelino.

“O design de interiores foi todo definido por nós, com o apoio e feedback da equipa da Eviation”, refere Rui Marcelino. Acrescenta ao ECO que todo o processo de design de interiores da Alice demorou cerca de 18 meses até estar concluído.

Temos a honra de participar com a Eviation nesta maravilhosa viagem rumo a um futuro sustentável.

Rui Marcelino

CEO e Design Manager na Almadesign

Alguns materiais usados no interior do design da Alice são sustentáveis. “Tentamos usar materiais amigos do ambiente dentro daquilo que é certificado pela indústria aeronáutica, optamos por usar matérias que tenham ciclos de vida longos, que não se desgastem facilmente, tendo em conta que um material que é substituído muitas vezes tem uma pegada ambiental muito maior”, destaca Rui Marcelino.

A portuguesa Almadesign já arrecadou mais de 20 prémios nacionais e internacionais, entre eles o “Óscar” pelo melhor interior de avião, atribuído em 2012.

A empresa trabalha com clientes de todo o mundo e de países tão diversos como Israel, EUA, Brasil, Espanha, Alemanha, entre outros. Rui Marcelino destaca que este ano o mercado israelita foi o cliente mais forte, tendo em conta o projeto do Alice. Refere ainda que o Canadá é um mercado em crescimento, já que é referência internacional na indústria aeronáutica. Cerca de 65% dos clientes da Almadesign advêm do mercado externo.

Localizada em Paço de Arcos, a empresa é uma referência a nível internacional no design de aeronaves, barcos, comboios, autocarros, entre outros. Na carteira de clientes estão marcas como a TAP, Embraer, CP e Salvador Caetano sendo, esta última, o cliente número 1 da empresa. “Trabalhamos há mais de 20 anos com o Salvador Caetano, o que é para nós um grande motivo de orgulho”, refere Rui Marcelino, sublinhando que a Almadesign tem o cuidado de “utilizar o máximo possível a mão-de-obra nacional, o que acaba por contribuir para a própria economia local”.

Mudança de paradigma

A preocupação no sentido de utilizar cada vez mais energias limpas materializa-se, tanto nos materiais como nos processos, e trata-se de uma verdadeira mudança de paradigma, sugere o responsável.

“Estamos a trabalhar em vários setores com energias limpas, como autocarros movidos a hidrogénio, barcos a energia solar, aviões elétricos com possibilidade de descolagem e aterragem na vertical”, acrescenta Rui Marcelino. Neste caso concreto, trata-se de uma aeronave leve com motores elétricos, com capacidade para entre dois a quatro passageiros, com a especificidade que pode aterrar numa área reduzida, como o topo de um edifício, mas sem o ruído, e com uma pegada ecológica muito mais baixa quando comparado a um helicóptero.

Rui Marcelino acredita que daqui a dez anos serão produzidas cerca de seis mil aeronaves por ano e que daqui a cinco, já “teremos alguns milhares dessas aeronaves a voar”. A Almadesign já está envolvida em dois projetos desta envergadura. “No mundo inteiro já existem cerca de 200 projetos a ser desenvolvidos”, avalia, relativamente aos veículos elétrico com capacidade de aterragem e descolagem na vertical.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Alice, um avião elétrico israelita com design português

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião