Emprego deixa investidores animados e puxa por Wall Street

Os mercados norte-americanos terminaram a última sessão da semana em terreno positivo com os investidores animados com os dados do emprego e expectantes em relação a um novo corte das taxas de juro.

A semana foi atribulada em Wall Street, mas os dados do emprego conhecidos esta sexta-feira deixaram os investidores mais otimistas e puxaram os mercados norte-americanos para terreno positivo. Isto depois de os dados relativos à atividade industrial e ao setor do desemprego terem gerado preocupação e confirmado que a prolongada guerra comercial entre a China e os EUA já estão a impactar a economia norte-americana.

Na última sessão da semana, o índice de referência, o S&P 500, valorizou 1,41%. Também o industrial Dow Jones avançou 1,41% e o tecnológico Nasdaq subiu 1,39%.

Esta evolução dos mercados norte-americanos fica a dever-se ao sentimento de otimismo gerado pelos dados que foram conhecidos, esta sexta-feira, relativos ao mercado de trabalho. O Departamento do Trabalho norte-americano anunciou, esta manhã, que a taxa de desempregos nos Estados Unidos recuou, em setembro, para 3,5%, o nível mais baixo desde dezembro de 1969. Também o número de empregos criados em agosto foi revisto em alta, esta manhã, tendo sido criados mais 38 mil empregos (168 mil empregos no total) do que tinha sido anunciado anteriormente.

“[Os dados do emprego são] uma espécie de ‘caracolinhos dourados’: não são tão fortes que levem a Fed a deixar de considerar um novo corte nas taxas de juro no final de outubro, mas não são tão fracos que gerem preocupação em relação ao mercado de trabalho e ao consumo“, explica Shawn Snyder, da Citi Personal Wealth Management, citado pela Reuters.

Os investidores estão expectantes em relação à Reserva Federal norte-americana, esperando que assuma uma posição mais branda em matéria de política monetária e corte as taxas de juro, pela terceira vez este ano, face aos dados económicos não tão animadores divulgados no início desta semana.

Na quinta-feira, foram conhecidos os dados relativos ao setor dos serviços norte-americano, que em setembro caiu para mínimos de três anos. No mesmo sentido, o setor industrial tocou em mínimos de dez anos, deixando os investidores preocupados e confirmando que a prolongada guerra comercial entre Pequim e Washington já está a afetar a economia norte-americana.

Na sessão desta sexta-feira, destaque ainda para os títulos da Apple que somaram 2,80% para 227,01 dólares.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Emprego deixa investidores animados e puxa por Wall Street

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião