Da paz à economia. Os euros e a história dos Prémios Nobel

  • Lusa
  • 5 Outubro 2019

Os prémios Nobel começam a ser anunciados na segunda-feira, cumprindo um desejo que o inventor da dinamite deixou em testamento, em 1895.

Os prémios Nobel nasceram da vontade do cientista e industrial sueco Alfred Nobel (1833-1896) em legar grande parte de sua fortuna a pessoas que trabalhem por “um mundo melhor”.

O prestígio internacional dos prémios Nobel deve-se, em grande parte, às quantias atribuídas, que atualmente chegam aos nove milhões de coroas suecas (cerca de 830.000 euros).

Alfred Nobel determinou a sua vontade num testamento feito em Paris, em 1895, um ano antes de sua morte.

Segundo os termos do testamento, cerca de 31,5 milhões de coroas suecas, o equivalente a 2,2 mil milhões de coroas na atualidade (203 milhões de euros), foram alocados a uma espécie de fundo cujos juros deviam ser redistribuídos anualmente “àqueles que, durante o ano, tenham prestado os maiores serviços à humanidade”.

O testamento previa que os juros do capital investido fossem distribuídos ao autor da descoberta ou invenção mais importante do ano no campo da Física, da Química, da Fisiologia ou Medicina, e da obra de Literatura de inspiração idealista que mais se tenha destacado. Uma última parte seria atribuída à personalidade que mais ou melhor contribuísse para “a aproximação dos povos”.

O testamento não designava, no entanto, o destino da própria fortuna e assim que foi lido, em janeiro de 1897, foi contestado por membros da família Nobel.

Além disso, embora determinasse os diferentes comités que atribuíram os prémios – a Academia Sueca de Literatura, o Instituto Karolinska de Medicina, a Academia Real Sueca de Ciências de Física e Química e um comité de cinco membros eleito especialmente pelo parlamento norueguês para escolher o prémio da Paz – não explicava os procedimentos a seguir.

Por isso, passaram-se mais de três anos até estas questões serem resolvidas, com a criação da Fundação do Nobel para administrar o capital.

A Fundação Nobel indica, no seu relatório anual de atividades de 2017 – o último disponível – ter tido um lucro de 4,5 mil milhões de coroas suecas (415 milhões de euros), conseguido através do investimento em produtos financeiros de alto rendimento, mas “eticamente responsáveis”.

Em 1968, por ocasião do seu tricentenário, o banco central sueco (Riksbank), o mais antigo do mundo, instituiu um prémio para Ciências Económicas em memória de Alfred Nobel, disponibilizando à Fundação Nobel uma soma anual equivalente ao valor dos outros prémios.

Até hoje, muitos cientistas continuam a questionar-se sobre a razão para não existir um prémio dedicado à Matemática e várias teorias foram já desenvolvidas.

Na década de 1980, os investigadores adotaram a ideia de que Alfred Nobel terá querido vingar-se do amante de uma das suas amantes, o matemático Gösta Mittag-Leffler, mas a explicação poderá ser muito menos passional: em 1895, quando Nobel escreveu o seu testamento, já havia, na Suécia, um prémio para feitos da Matemática.

Entre 1901 e 2018, foram atribuídos 590 prémios Nobel, distribuídos por 904 pessoas e 24 organizações (alguns dos quais receberam mais do que uma vez).

O primeiro anúncio deste ano acontece na segunda-feira de manhã, com a atribuição do Nobel da Medicina, a que se segue, no dia seguinte, o da Física e, na quarta-feira, o da Química. Na quinta-feira, dia 10, serão atribuídos os Nobel da Literatura de 2018 e 2019 e na sexta-feira será conhecido o nome do novo Nobel da Paz. O último anúncio será feito no dia 14 de outubro e determinará o vencedor do Nobel da Economia.

Este ano, serão atribuídos dois Nobel da Literatura (relativos a 2018 e 2019), depois de, no ano passado, ter sido suspenso devido a um escândalo de abusos sexuais e crimes financeiros, que afetou a Academia de Estocolmo.

A cerimónia de atribuição acontece anualmente a 10 de dezembro, data de aniversário da morte do seu mentor.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Da paz à economia. Os euros e a história dos Prémios Nobel

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião