Mota-Engil fecha contrato de 122 milhões para a recolha de resíduos no Brasil

A construtora portuguesa, através da subsidiária Consita, assinou um contrato para a recolha de resíduos em Brasília. Os trabalhos terão a duração de cinco anos.

A Mota-Engil assinou um contrato de 122 milhões de euros no Brasil, anunciou a empresa em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). Este acordo tem efeito ainda este mês, terá a duração de cinco anos e passa pela recolha de resíduos e limpeza de vias em Brasília.

“A Mota-Engil informa sobre a assinatura, pela Consita, a sua subsidiária na área de ambiente e serviços no Brasil, de um contrato para a recolha de resíduos no Distrito Federal (Brasília)”, refere o documento. O contrato totalizará cerca de 122 milhões de euros e contemplará a “recolha de resíduos, recolha seletiva, limpeza manual e mecânica, lavagem de vias, entre outros serviços”.

Os trabalhos, correspondentes ao lote três de um concurso abrangente para a recolha de resíduos em todo o Distrito Federal, “terão a duração de cinco anos e terão início no presente mês de outubro”.

Com a assinatura de mais um acordo no Brasil, a área de ambiente e serviços na América Latina da Mota-Engil acumula este ano um crescimento de cerca de 150 milhões de euros da sua carteira de encomendas.

A nível mundial, esta área regista já cerca de quatro mil milhões de euros de volume de negócios a executar, dos quais 850 milhões correspondem a carteira de encomendas em contratos de prestação de serviços e 3,15 mil milhões ao volume de negócios estimado para os períodos das concessões ambientais em exploração pela construtora.

Na totalidade das geografias, a Mota-Engil registou nos primeiros seis meses do ano vendas na ordem dos 1.344 milhões de euros. Um resultado corresponde a um crescimento de 7% face a igual período do ano passado e que foi impulsionado pelo negócio registado pela construtora portuguesa nos mercados africanos. Já o resultado líquido atribuível ao grupo cresceu 42%, atingindo os oito milhões de euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mota-Engil fecha contrato de 122 milhões para a recolha de resíduos no Brasil

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião