Após recordes em 2018, Mota-Engil volta a aumentar volume de negócios

Construtora divulgou dados preliminares da atividade de janeiro a junho. Apesar de ainda não revelar lucros, o volume de negócios cresceu 7,5% e a carteira de encomendas superou os 5,2 mil milhões.

A Mota-Engil fechou o semestre com uma carteira de encomendas superior 5,2 mil milhões de euros. Após ter atingido o valor recorde de 5.465 milhões de euros na totalidade do ano passado, as perspetivas de evolução do negócio continuam em “níveis historicamente elevados” e a construtora liderada por Gonçalo Moura Martins volta a reforçar a presença internacional.

Na divulgação de indicadores económico-financeiros preliminares, a Mota-Engil comunicou à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) ter registado uma “carteira de encomendas acima dos 5,2 mil milhões de euros, dos quais 75% fora da Europa“.

O volume de negócios da construtora aumentou cerca de 7,5%, face ao período homólogo, para 1,34 mil milhões de euros, enquanto o EBITDA (lucros antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) cresceu 10% para 194 milhões de euros.

Já a dívida líquida situou-se em 1,07 mil milhões de euros, “apesar do elevado investimento e do fundo de maneio tradicionalmente desfavorável no primeiro semestre”, refere a empresa, que irá apresentar resultados ao mercado a 29 de agosto.

No ano passado, o lucro da Mota-Engil multiplicou-se por 12 vezes para 24 milhões de euros, com o volume de negócios no recorde de 2.818 milhões de euros.

Os dados preliminares são conhecidos no mesmo dia em que a Mota-Engil anunciou também a entrada em novos mercados, como o Panamá, e a celebração de contratos em diversos países, designadamente aquele que classifica como “um dos maiores de sempre no setor do ambiente”.

No Panamá, o contrato conseguido através de concurso público internacional está avaliado em 178 milhões de dólares (159 milhões de euros). Implica a extensão de 2,2 quilómetros da Linha 1 do metro da cidade do Panamá, a executar em 33 meses, bem como a construção de uma estação terminal com capacidade para mais de dez mil passageiros em horas de ponta.

Após o anúncio, as ações da construtora liderada por Gonçalo Moura Martins valorizaram na bolsa de Lisboa. Os títulos da empresa, tal como as restantes cotadas do PSI-20 mais expostas aos mercados internacionais, recuperam também devido à menor tensão na guerra comercial e acabaram por fechar com um ganho de 4,62% para 1,742 euros por ação.

Ações voltam aos níveis da semana passada

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Após recordes em 2018, Mota-Engil volta a aumentar volume de negócios

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião