Mota-Engil garante 100 milhões em contratos no Quénia

Contratos abrangem dez anos e incluem projeto, construção, operação e manutenção de duas redes de estradas.

A Mota-Engil fechou dois novos contratos para duas redes de estradas no Quénia. O negócio, que abrange um período de dez anos, inclui projeto, construção, operação e manutenção e ascende a 100 milhões de euros, segundo comunicou a construtora à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

“As fases de projeto e construção terão um prazo de execução de 720 dias e as de operação e manutenção um prazo de 8 anos. A componente de construção dos contratos acima referidos ascenderá a cerca de 100 milhões de euros, valor que será faturado ao longo do período de construção e manutenção”, anunciou a Mota-Engil em comunicado.

O novo negócio junta-se a uma carteira de encomendas que se situava nos 5,5 mil milhões de euros, em 2018. No ano passado, a Mota-Engil multiplicou os lucros por 12, para 24 milhões de euros e as receitas atingiram um novo recorde. Apesar de a América Latina ter gerado a maior parte das receitas da construtora, o negócio em África revelou um forte crescimento no segundo semestre do ano passado, sendo que a empresa antecipa que a tendência continue em 2019.

“Com estas adjudicações, a Mota-Engil aumenta a sua carteira de encomendas na região de África, através de contratos de longo prazo, permitindo uma estabilidade na atividade e nos fluxos financeiros provenientes deste continente“, acrescentou a empresa liderada por Gonçalo Moura Martins.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mota-Engil garante 100 milhões em contratos no Quénia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião