Papel, qual papel? Quem quer e não quer um acordo escrito para dar a mão a Costa

Em 2015, foram precisas 23 páginas para selar as posições conjuntas entre o PS e os partidos à sua esquerda. E desta vez? Haverá papéis? Fomos ver o que cada parte pensa sobre o assunto.

Portugal poderá voltar a ser governado por uma geringonça à esquerda. O cenário nasceu das eleições de domingo e o líder do partido mais votado – o PS – disse logo que tinha intenções de reeditar a solução governativa que o país teve na legislatura que agora termina. No entanto, o modelo pode não ser exatamente o mesmo: nesta nova geringonça podem caber mais partidos e ainda não é certo se desta vez o casamento será com papel ou não.

As posições de cada um dos protagonistas sobre a necessidade de casar com papel são conhecidas. Em 2015, foi Cavaco Silva, o então Presidente da República, que impôs esta solução. Nessa altura, o PS assinou três posições conjuntas. Uma com o Bloco de Esquerda, outra com o PCP e outra com os Verdes. Ao todo, foram 23 as páginas que selaram os entendimentos. Papéis que permitiram um governo de quatro anos.

António Costa prefere acordos escritos

O líder do PS mostra preferência pelos acordos escritos mas não os transforma em linhas vermelhas para fechar entendimentos à esquerda. Questionado sobre se prefere acordos escritos, depois de este domingo o PCP ter dito que preferia entendimentos pontuais, António Costa disse que “a experiência de 2015 se revelou uma boa solução”. “Acho que o que correu bem não deve ser alterado”, disse o secretário-geral socialista.

Catarina Martins deixa tudo em aberto

O Bloco de Esquerda sugere que se a opção for por uma solução de estabilidade, deve seguir as regras que estiveram na base da atual geringonça. Ou seja, tem como base um acordo escrito. Caso contrário, o papel parece mais dispensável para os bloquistas já que se trata de negociações caso a caso.

“O PS tem todas as condições para formar governo e se não tiver maioria absoluta e se precisar de apoio parlamentar tem duas opções: procurar uma solução de estabilidade, que assuma a continuidade da reposição de direitos e rendimentos ao longo da legislatura, e isso deve estar refletido no programa de Governo que vier a apresentar, ou realizar negociações ano a ano para cada orçamento”, disse Catarina Martins na noite das eleições.

Jerónimo de Sousa não quer a “cena do papel”

Os comunistas saíram penalizados nas eleições de domingo e não querem repetir a geringonça nos atuais moldes. “Não haverá repetição da cena do papel”, disse Jerónimo de Sousa na noite eleitoral. O secretário-geral comunista acrescentou como será o comportamento do PCP nesta legislatura. “Será em função das opões do PS que a CDU determinará como sempre o seu posicionamento”, avançou.

André Silva com mais força, mas afasta-se do poder

O PAN prefere ficar fora do casamento que o PS terá de fazer com Bloco de Esquerda ou PCP. Na noite eleitoral, André Silva o líder do partido distanciou-se de um envolvimento mais formal com a solução de Governo que Costa está a construir. “O PAN não quer fazer parte da solução governativa”. “O PS precisa apenas do Bloco de Esquerda ou da CDU”, afirmou o líder do partido que conseguiu eleger quatro deputados. Admitiu porém dar a mão ao Governo para apoiar propostas à imagem do que já aconteceu nesta legislatura.

Marcelo Rebelo de Sousa dispensa o papel

O Presidente da República pode exigir condições ao primeiro-ministro antes de o indigitar para formar Governo, mas, à luz do que Marcelo Rebelo de Sousa tem dito até agora, dificilmente o chefe de Estado vai pedir que haja assinatura de acordos entre os partidos. “Faz-me alguma impressão haver a necessidade de acordo escrito para se garantir a duração da legislatura”, disse em janeiro deste ano numa entrevista à Lusa. Marcelo justificou que esta legislatura “chega ao fim não tanto por causa do acordo escrito”, mas porque houve “uma vontade dos subscritores desse acordo de fazerem durar a legislatura até ao fim – porque todos acharam que tinham a ganhar com isso, e todos acharam que tinham a perder com isso, houvesse ou não acordo”.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Papel, qual papel? Quem quer e não quer um acordo escrito para dar a mão a Costa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião