Insurtech Next Insurance torna-se unicórnio após investimento da Munich RE

  • ECO Seguros
  • 9 Outubro 2019

A Next Insurance foi avaliada acima de mil milhões de dólares para a tomada de 27,5% do capital pela gigante resseguradora alemã. Um dos maiores negócios de sempre de uma insurtech.

A Munich Re, a segunda maior resseguradora do mundo, com 35 mil milhões de dólares prémios emitidos em 2018, reforçou o seu investimento na Next Insurance, uma insurtech nascida há apenas três anos em Palo Alto, desde sempre apoiada pela empresa alemã.

Os fundadores da Next Insurance: Alon Huri e Nissim Tapiro estão habitualmente em Tel Aviv, Israel, Guy Goldstein em Palo Alto, nos Estados Unidos.

A Munich Re já tinha investido por duas vezes na Next Insurance, quando do lançamento desta em 2017 e nos reforços de capital em 2018, tendo sido a financiadora integral do novo capital agora injetado no valor de 250 milhões de dólares, em que comprou participações de outros parceiros iniciais do projeto, ficando com uma posição de 27,5% após esta última operação.

Até hoje a a Next Insurance angariou 381 milhões de dólares entre investidores, e embora os prémios emitidos tenham atingido apenas 44 milhões em 2018, a sua avaliação para esta operação exclusiva da Munich Re, superou mil milhões de dólares, passando à categoria de unicórnio.

A explicação está no posicionamento e na tecnologia. Desde o início a Next Insurance foi digital only dirigida para pequenos e médios negócios e novas profissões e atividades. É visível que procura cativar com base na simplicidade, no preço e em alguma customização dos produtos para clientes como cuidadores de saúde, palhaços, soldadores, agentes imobiliários, DJ’s, personal trainers, instrutoras de yoga, ou organizadores de eventos. Já conquistou 70 mil clientes com mais de mil atividades ou profissões diferentes e muitas delas inovadoras.

Explicando todo este envolvimento da Munich Re, sempre tradicional e ligada a grandes riscos e grandes clientes, Joachim Wenning, CEO e chairman da Munich Re, afirma que “o modelo de negócio da Next Insurance, baseado em tecnologia e dados, oferece uma extraordinária oportunidade de crescimento que aproveitaremos em conjunto”, acrescentando que a Next “vai beneficiar da nossa experiência em seguro e resseguro”. Wenning conclui que “este investimento expressa a determinação da Munich Re em se tornar líder no campo das soluções digitais para a indústria seguradora”.

O envolvimento da Munich Re na empresa deu-se quando se tornou resseguradora a 100% para este negócio, com cedências da Markel e da State National, as seguradoras diretamente beneficiadas com a operação da Next, mas que nunca investiram na empresa.

Mercado de seguros para PME vale 139 mil milhões de dólares anuais

A Munich Re avalia o mercado das pequenas e médias empresas nos Estados Unidos em 139 mil milhões de dólares anuais, “muito apetecível”, comenta Wenning e, por enquanto, é o único mercado explorado pela Next Insurance, embora também disponha de uma base em Israel.

Quanto a Guy Goldstein, co-fundador e CEO da Next Insurance, comentou “trabalhamos com a Munich Re desde o começo e eles foram um grande parceiro que nos ajudou a crescer e desenvolver o nosso negócio”, e acrescenta que com este novo investimento “vai permitir que façamos crescer a equipa, desenvolver tecnologia e acelerar o crescimento de clientes”.

O total de financiamento de 381 milhões de dólares obtido pela Next Insurance nos três anos de vida como start up insurtech não é caso isolado nos Estados Unidos. Em abril deste ano a Lemonade obteve financiamento de 300 milhões e, no ano passado, a especializada em automóvel Root Insurance levantou 100 milhões de dólares. Ainda relevantes são a Clover Health e a PolicyBazaar.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Insurtech Next Insurance torna-se unicórnio após investimento da Munich RE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião