Consumo está a mudar. Comprar online é mais “racional”

  • Lusa
  • 11 Outubro 2019

"O consumidor é mais inteligente, exige mais informação", pelo que isso reflete-se na descida "da compra por impulso face à racional", diz João de Castro Guimarães, diretor-executivo da GS1 Portugal.

O diretor-executivo da GS1 Portugal, João de Castro Guimarães, disse à Lusa que o consumo está a mudar e que o digital permite a “compra racional” em detrimento da “por impulso”, já que o consumidor “é mais exigente”.

“Sem dúvida que o consumo está a mudar”, afirmou o responsável, quando questionado sobre o aumento de compras ‘online’.

Salientando que se “nota” um crescimento das compras na Internet, João de Castro Guimarães salientou que o digital permite um ato de compra diferente relativamente às físicas.

“O digital permite um ato de compra racional”, em detrimento da “compra por impulso”, apontou.

Isto porque “o consumidor é mais inteligente, exige mais informação”, pelo que isso reflete-se na descida “da compra por impulso face à racional”, explicou o diretor-executivo da GS1 Portugal, associação empresarial de identificação e codificação de produto.

“Haverá uma tendência para a compra ser mais racional, pois o consumidor é mais informado, o que leva a que seja mais exigente” no ‘online’, seja “para comprar bilhetes de avião, seja para produtos de supermercado”.

Sobre como vê o mercado de consumo nos próximos 12 meses, o responsável disse que este vai “continuar a ser muito competitivo”, esperando que o digital “venha a crescer os dois dígitos”.

Apesar de não ter “varinha mágica”, João de Castro Guimarães considerou que “no contexto de 12/24 meses não há grandes razões para ser demasiado otimista ou demasiado pessimista”, admitindo eventuais “crises que a economia possa trazer”, o que terá impacto “no mercado de consumo”.

A digitalização, referiu, traz uma “macrotendência” chamada de cibersegurança e para o diretor-geral da GS1 Portugal, nenhuma empresa está imune a ciberataques.

“Preparadas não estão”, afirmou, quando questionado se as empresas estão preparadas para os ataques informáticos.

“Nenhuma empresa pode dizer que está imune a essa tendência”, afirmou o diretor-geral da GS1 Portugal – Codipor, entidade responsável pela introdução do código de barras no mercado português há mais de 30 anos.

“Na nossa organização criámos um regulamento próprio de defesa contra ataques desse tipo e as empresas devem tomar medidas para mitigar o número e o grau de intensidade” desses ciberataques, considerou.

Outra das questões com as quais manifestou preocupação foi a qualidade de dados na Internet, que “está muito longe do que deveria estar”.

João de Castro Guimarães referiu-se ao ‘digital twin’, conceito que significa replicar na Internet o que está no mundo físico.

“A maior parte da informação que circula”, afirmou, arriscando a apontar “mais de metade, não são dados corretos”, afirmou.

Relativamente ao 5G, o responsável admite uma “tendência incremental” para os ataques na Internet com o advento da tecnologia, embora também espere “um aumento da segurança”.

A GS1 Portugal organizou na quinta-feira o seu 5.º congresso subordinado ao tema “(Des)Codificar o futuro. Estilos de vida e digitalização. Desafios, modelos de oferta e consumo”, que decorreu na Nova SBE.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Consumo está a mudar. Comprar online é mais “racional”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião