Legislativas dão 64 milhões aos partidos. PS ganha 25

  • ECO
  • 11 Outubro 2019

PS, vencedor das eleições, arrecadará 25,2 milhões de euros, enquanto o PSD acumulará perto de 20 milhões. CDS vai receber pouco mais que o PAN.

A noite eleitoral deu mais do que votos. Poderá ter garantido aos partidos um encaixe financeiro de 64 milhões de euros para o total dos quatro anos da nova legislatura, diz o Jornal de Notícias (acesso pago). Para financiamento da campanha, as candidaturas têm direito a um total de quase sete milhões de euros, sendo o remanescente subvenções para financiamento da atividade partidária e para apoio a cada um dos deputados eleitos.

Relativamente à campanha, o Parlamento estava preparado um “bolo” de 6,97 milhões para distribuir pelos partidos que conseguissem um eleito. No entanto, refere o jornal, as nove candidaturas (que conseguiram eleger), apenas orçamentaram um total de 7,6 milhões.

Além deste valor, há ainda que ter em conta com as subvenções para o resto da legislatura. As nove candidaturas bem-sucedidas vão ter direito a 55,9 milhões de euros para os próximos quatro anos, valor ao qual se junta uma verba anual de 1.765 euros para cada um dos 230 deputados.

Segundo o JN, o PS, vencedor das eleições, arrecadará 25,2 milhões de euros, enquanto o PSD acumulará perto de 20 milhões. O Bloco de Esquerda, que manteve o mesmo número de deputados, receberá 6,7 milhões, mais do que os 4,5 milhões para a CDU.

Bem menos que na anterior legislatura receberá o CDS, que viu a sua bancada parlamentar encolher para apenas cinco deputados. Receberá três milhões, pouco mais do que os 2,3 milhões para o PAN. Chega, Iniciativa Liberal e Livre irão receber 479 mil euros, 475 e 433, respetivamente.

(Artigo corrigido tendo em conta que a peça original não tinha em conta a redução de 20% do montante global disponível para cobrir as campanhas eleitorais, que passou a estar na lei)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Legislativas dão 64 milhões aos partidos. PS ganha 25

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião