Três comissários chumbados. Bruxelas desvaloriza eventual atraso na entrada em funções da nova Comissão

  • Lusa
  • 11 Outubro 2019

A Comissão Europeia recusa-se a especular sobre um eventual atraso da entrada em funções do novo executivo comunitário, na sequência do chumbo dos comissários designados por França, Roménia e Hungria.

A Comissão Europeia escusou-se esta sexta-feira a especular sobre um eventual adiamento da entrada em funções do executivo comunitário de Ursula von der Leyen, na sequência do chumbo de três comissários designados, mas desdramatizou tal cenário, lembrando os “precedentes”.

A conferência de imprensa diária desta sexta-feira da Comissão Europeia ficou marcada pelo impasse que se regista na formação do novo executivo comunitário, que é suposto entrar em funções em 1 de novembro, depois da reprovação, na quinta-feira, pelo Parlamento Europeu, da comissária designada por França, Sylvie Goulard, que se junta aos chumbos dos candidatos da Roménia e Hungria.

Questionada sobre se a atual Comissão liderada por Jean-Claude Juncker já se prepara para permanecer em funções além da data prevista para o final do seu mandato (31 de outubro), a porta-voz Mina Andreeva escusou-se a “entrar em especulações” relativamente a “perguntas hipotéticas”, mas admitiu que o atual executivo está pronto para prolongar o exercício de funções se tal for necessário, como já aconteceu no passado noutros processos de transição.

“Nós estamos prontos para todas as eventualidades, como sempre, é essa a missão da Comissão Europeia. Não vamos entrar em especulações sobre o ‘timing’ da nova Comissão, mas se houver um adiamento, esta Comissão permanecerá em funções de forma provisória para os assuntos correntes. Isso aconteceu já várias vezes, se não me engano já aconteceu três vezes no passado, pelo que há precedentes”, sublinhou.

Um dos precedentes deu-se em 2004, com a primeira ‘Comissão Barroso’, quando, face ao iminente chumbo do seu colégio devido a uma polémica em torno do candidato a comissário apresentado por Itália, José Manuel Durão Barroso se viu forçado a pedir o adiamento da votação na assembleia – e a substituir Rocco Buttiglioni por Franco Frattini.

O primeiro executivo de Durão Barroso só entraria em funções em 22 de novembro (e não dia 1), depois de alterar dois comissários.

Este ano, o mesmo cenário poderá repetir-se, já que, a 20 dias da data prevista para a mudança da ‘Comissão Juncker’ para a ‘Comissão Von der Leyen’, falta o Parlamento Europeu dar o seu aval a três comissários, sendo que os respetivos Estados-membros ainda nem apresentaram alternativas aos nomes chumbados pela assembleia.

A porta-voz da Comissão sublinhou a propósito que, nesta fase do processo, “cabe aos três países (Hungria, Roménia e França) propor candidatos e ao Parlamento Europeu decidir quando e onde vai organizar as respetivas audições”.

O Parlamento Europeu rejeitou na quinta-feira a nomeação de Sylvie Goulard como comissária europeia do Mercado Interno no futuro executivo de Ursula Von der Leyen, com uma votação inequívoca de 82 votos contra, 29 a favor e uma abstenção.

O parecer negativo dos eurodeputados das comissões parlamentares do Mercado Interno e da Indústria prende-se com a recusa de Sylvie Goulard a apresentar a demissão do cargo de comissária europeia caso seja acusada no processo dos empregos fictícios de assistentes do seu partido, o MoDem, no PE, o mesmo que a levou a demitir-se do Governo francês em junho de 2017, apenas um mês após ter assumido a pasta da Defesa.

O chumbo de candidata francesa é mais um revés para Ursula Von der Leyen, que já tinha visto a comissão parlamentar de Assuntos Jurídicos vetar a nomeação do húngaro László Trócsányi (Vizinhança e Alargamento) e da romena Rovana Plumb (Transportes), por potenciais conflitos de interesse entre os seus interesses financeiros e as suas futuras funções.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Três comissários chumbados. Bruxelas desvaloriza eventual atraso na entrada em funções da nova Comissão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião