Mais ministros deixam António Costa no novo Governo. E vão haver novos ministérios

  • ECO
  • 12 Outubro 2019

Para além de Vieira da Silva, mais ministros pediram para não continuarem no Governo na próxima legislatura. É o caso de Francisca Van Dunem.

Novos ministérios e ministros, secretarias de Estado que ganham relevância e alguns nomes que não deverão fazer parte do próximo executivo. Estas são algumas novidades acerca da equipa que estará a ser preparada pelo primeiro-ministro para a nova legislatura.

António Costa ainda não começou a fazer os convites para compor o novo Governo, mas um nome que não deverá constar entre os membros do executivo é o de Francisca Van Dunem, que terá pedido para sair por razões pessoais, avança o Público (acesso condicionado). Até aqui ministra da Justiça, Van Dunem deverá retomar a carreira na Justiça e poderá ser indicada pelo PS como candidata a juíza do Tribunal Constitucional (TC).

O jornal refere também que o primeiro-ministro deverá separar em dois o atual Ministério do Trabalho e Segurança Social, dedicando um específico a cada área. Algumas secretarias de Estado poderão também ser elevadas a ministério, o que poderá acontecer, por exemplo, à do Turismo, tendo em conta a crescente importância do setor no país. Ana Mendes Godinho, atual secretária de Estado, pode, por isso, chegar a ministra.

Outra secretaria de Estado que poderá transformar-se em ministério na próxima legislatura é a dos Assuntos Parlamentares. Isto acontece numa altura em que se prevê que aumente o protagonismo das negociações ao nível parlamentar na legislatura que agora se inicia.

Saída garantida, como já se sabia, é a de José Vieira da Silva, ministro cessante do Trabalho e Segurança Social, por vontade própria. E também de Luís Capoulas Santos, que tem ocupado o cargo de ministro da Agricultura. Outros nomes que poderão não fazer parte do próximo executivo são o da ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, e do ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor. Já Eduardo Cabrita, responsável pela Administração Interna, poderá transitar para outra pasta.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mais ministros deixam António Costa no novo Governo. E vão haver novos ministérios

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião