Brexit. Dúvidas no curto prazo, confiança no longo prazo

  • ECO
  • 13 Outubro 2019

Um inquérito da Clearwater Internacional a 2.100 empresas revela que quase metade está otimista sobre os efeitos do Brexit no longo prazo. As portuguesas são as mais pessimistas.

O Brexit tem uma data marcada, 31 de outubro, mas ainda é incerto de que forma se concretizará ou se haverá, mesmo, um novo adiamento. O que pensam os gestores de empresas europeias? Segundo um inquérito da Clearwater Internacional, uma casa de investimento com presença em Portugal, “apesar da atual incerteza em torno do Brexit ser um grande desafio para as empresas europeias, quase metade das empresas acreditam que a saída definitiva do Reino Unido da União Europeia será positiva para os negócios”.

Embora a antecipação e a preparação para o Brexit sejam uma questão a curto prazo, particularmente porque ainda subsistem dúvidas sobre a data de saída efetiva, 46,5% das empresas europeias do estudo estão muito mais optimistas quanto ao sucesso da sua atividade após o Brexit, incluindo 51% das empresas britânicas. As empresas portuguesas são, de longe, as mais pessimistas sobre os efeitos a longo prazo do Brexit, com 37% dizendo que terá um efeito “negativo” ou “muito negativo”.

O inquérito, realizado em mais de 2.100 empresas europeias nas principais economias da Europa Ocidental, revelou que a ansiedade do Brexit está presente em todo o espaço europeu, com 23,9% de todas as empresas a destacarem-na como estando entre os três principais desafios que a sua atividade enfrenta. O inquérito foi conduzido pela 3Gem junto de diretores e administradores em empresas com volume de negócios a dez milhões de euros em oito países europeus: Reino Unido (500); Irlanda (200); França (250); Alemanha (250); Itália (250); Espanha (250); Portugal (200); Dinamarca (200), entre 21 de Agosto e 9 de Setembro de 2019.

Sem surpresas, as expectativas sobre o Brexit estão mais presentes no Reino Unido, com 34% das empresas inquiridas a considerarem que é um dos maiores desafios que enfrentam. Depois do Reino Unido, as preocupações relacionadas com o Brexit são as mais elevadas em três dos seus principais parceiros comerciais europeus: República da Irlanda (27% dizem que é um grande desafio); Alemanha (26,8%); e, Espanha (26%).

Rui Miranda, Partner da Clearwater International, Portugal, afirmou ao ECO que as empresas em geral estão confiantes sobre o seu sucesso a longo prazo. “Mas a curto prazo, antecipar o impacto do Brexit representa um desafio significativo para muitas empresas. Compreensivelmente, a questão está ligada à incerteza em torno do timing, e de se será uma saída sem acordo, o que poderia ser particularmente perturbador para as empresas em Portugal, uma vez que o Reino Unido é o nosso quarto maior parceiro comercial”.

“As empresas com que falámos desejam uma clarificação do Brexit, nomeadamente do seu impacto potencial na forma como fazem negócios e sobre as mudanças que precisarão de fazer no futuro.
“Embora os efeitos a médio prazo do Brexit sejam susceptíveis de se desvanecer com o decorrer do tempo, as empresas estão justamente preocupadas com o impacto a curto prazo no seu crescimento, nas exportações e até mesmo nos custos de financiamento”, sintetiza o gestor.

E no longo prazo? Quando questionado sobre o impacto que o Brexit teria a longo prazo no seu negócio, mais de metade (51,2%) das empresas do Reino Unido questionadas disse que teria um impacto “positivo” ou “muito positivo”, em comparação com 29,2% que pensam que seria “negativo” ou “muito negativo”. Este padrão foi replicado em toda a Europa, com cerca de 62% das PME irlandesas a acreditarem que o Brexit será positivo para os seus negócios, em comparação com apenas 29,2% que acreditam que será negativo.

Embora os efeitos a médio prazo do Brexit sejam susceptíveis de se desvanecer com o decorrer do tempo, as empresas estão justamente preocupadas com o impacto a curto prazo no seu crescimento, nas exportações e até mesmo nos custos de financiamento.

Rui Miranda, partner da Clearwater International

Do mesmo modo, 54,4% das empresas francesas e 58,8% das empresas alemãs no estudo acreditam que o Brexit será, em última análise, positivo para os seus negócios, enquanto 42% das PME italianas e 38% das PME espanholas e dinamarquesas pensam o mesmo.

Globalmente, em todos os países inquiridos, 46,5% das empresas pensam que o Brexit será positivo, em comparação com 23,8% que disseram que irá impactar negativamente, enquanto um quarto disse que não espera qualquer impacto.

A Clearwater International dedica-se à prestação de serviços de assessoria financeira em transações no mid-market, incluindo M&A, private equity, assessoria de dívida e serviços de reestruturação. O Grupo conta com 16 escritórios, 42 partners e mais de 250 funcionários em toda a Europa (incluindo Portugal), América do Norte e Ásia.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Brexit. Dúvidas no curto prazo, confiança no longo prazo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião