Boris Johnson tenta persuadir Bruxelas a negociar proposta do Brexit

  • Lusa
  • 7 Outubro 2019

O primeiro-ministro britânico urgiu a União Europeia (UE) a estar em "negociações substantivas" com o Reino Unido sobre a proposta feita na semana passada para desbloquear o Brexit.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, urgiu a União Europeia (UE) a estar em “negociações substantivas” com o Reino Unido sobre a proposta feita na semana passada para desbloquear o Brexit.

“A nossa proposta é muito justa, muito razoável”, disse esta segunda-feira, durante uma visita a um hospital em Watford, no norte de Londres, acrescentando que representa “um grande passo em frente, um grande avanço, uma grande concessão por parte do governo do Reino Unido”.

Nos últimos dias, o primeiro-ministro britânico tem estado em contacto telefónico com vários líderes europeus, incluindo o homólogo português, António Costa, para tentar persuadir Bruxelas a reatar negociações. Falou também com o homólogo finlandês, Antti Rinne, e com o presidente francês, Emmanuel Macron, adiantou. “E eu acho que eles podem ver que agora há argumentos para avançar com algumas negociações substantivas sobre os detalhes do que estamos a propor”, disse, em declarações transmitidas na Sky News.

O governo britânico propôs na semana passada a criação de uma zona regulatória comum entre a Irlanda do Norte e a vizinha Irlanda para facilitar a circulação de bens agroalimentares e industriais. O plano pressupõe que a Irlanda do Norte sai da união aduaneira europeia e fica a fazer parte de uma união aduaneira britânica quando o Reino Unido sair da UE, após o período de transição, no final de 2020.

O alinhamento com as regras do mercado comum na Irlanda do Norte teria de ser autorizado pelas autoridades autónomas da província britânica a cada quatro anos. Porém, os críticos apontam para o facto de não existir uma estabilidade política naquela província britânica, pois está sem governo desde as eleições de 2017 devido à divergência entre o Partido Democrata Unionista (DUP) e Sinn Féin.

Referem também para a efetiva criação de duas fronteiras, uma entre a Irlanda do Norte e o resto do Reino Unido, e outra com a vizinha Irlanda, cuja necessidade de controlos aduaneiros põe em causa os termos dos acordos de paz de 1998 para o território. Boris Johnson garante que o seu plano não implica a criação de “fronteiras físicas nem de controlos”.

Na semana passada, a UE manifestou reservas sobre as propostas e pediu mais detalhes, estando previsto um novo encontro entre o enviado de Boris Johnson, David Frost, e o negociador-chefe dos 27, Michel Barnier.

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, reconheceu em comunicado “avanços positivos, particularmente no que diz respeito ao completo alinhamento regulatório de todos os bens e do controlo dos bens provenientes da Grã-Bretanha que entrem na Irlanda do Norte”.

No entanto, para Juncker “ainda existem alguns pontos problemáticos que exigirão um trabalho suplementar nos próximos dias, principalmente no que diz respeito à governança do backstop“, segundo a mesma nota.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Boris Johnson tenta persuadir Bruxelas a negociar proposta do Brexit

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião