Brexit: S&P considera risco elevado de saída sem acordo e antecipa recuo do PIB

  • Lusa
  • 7 Outubro 2019

A agência Standard & Poor's antecipa um risco elevado de o Reino Unido sair da União Europeia sem acordo. Prevê ainda uma redução do PIB de 2,8% em 2020.

A agência Standard & Poor’s (S&P) considera que o risco de que o Reino Unido saia da União Europeia (UE) sem acordo é “alto” e antecipa uma redução do PIB de 2,8% em 2020 no caso de um Brexit abrupto.

A agência de rating realizou um estudo que parte da base de que este país não abandonará o bloco comunitário sem consenso com Bruxelas, mas reconhece que o risco de uma saída abrupta da UE “continua a ser elevado”. No caso de um Brexit sem acordo, a S&P prevê uma contração do PIB do Reino Unido de 2,8% em 2020 e sublinha que em 2021 a produção poderia ser 4,7% mais baixa do que num cenário de uma saída da UE com acordo.

Também estima que a economia britânica perdeu cerca de 3% do PIB (Produto Interno Bruto) nos dez trimestres que se seguiram à realização do referendo europeu em junho de 2016.

A agência adverte que o divórcio abrupto poderia derivar em várias revisões em baixa de notação, perspetivas negativas ou medidas de observação de crédito (creditwatch) sobre as mesmas com margem de rating insuficiente para compensar as alterações ou desacelerações económicas derivadas.

No estudo, a S&P refere que depois de três anos de debate político no Reino Unido que “quase paralisaram as políticas do Governo”, chegar a um compromisso com a UE continua a ser um desafio, tendo em conta, nomeadamente, a complexidade que implica e o calendário ajustado. “O fracasso em chegar a um acordo” implica que a probabilidade de um Brexit sem acordo “continue a ser significativa e não se deva afastar”, conclui o estudo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Brexit: S&P considera risco elevado de saída sem acordo e antecipa recuo do PIB

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião