Entrada em bolsa da petrolífera Aramco será “muito em breve”

  • Lusa
  • 14 Outubro 2019

Valor oficial da petrolífera saudita, antes da entrada em bolsa, não será definido antes "da próxima semana, pelo menos". Pode ser muito inferior a 2 biliões de dólares.

O anúncio da entrada em bolsa do gigante petrolífero saudita Aramco terá lugar “muito em breve”, declarou o presidente do Conselho de Administração da empresa pública.

Primeiro exportador mundial de crude, a Arábia Saudita tentou introduzir em bolsa a Aramco pela primeira vez em 2018, antes de recuar devido às condições de mercado consideradas desfavoráveis.

“A entrada em bolsa terá lugar mais rapidamente do que pensam“, afirmou o presidente do Conselho de Administração da empresa, Yasir Al-Rumayyan, durante um fórum russo-saudita organizado em Riade por ocasião da visita ao país do presidente da Rússia, Vladimir Putin.

“Creio que será anunciado muito, muito em breve”, acrescentou Rumayyan, que é também diretor-geral do fundo soberano saudita, considerando que a Aramco é a “melhor empresa do mundo”.

Na quinta-feira, fontes próximas do dossiê indicaram que o valor oficial da petrolífera saudita, antes da entrada em bolsa, não será definido antes “da próxima semana, pelo menos” e pode ser muito inferior a 2 biliões de dólares, como pretende o príncipe herdeiro, Mohammed bin Salman.

Segundo várias fontes, esse valor pode rondar 1,5 biliões de dólares.

Segundo a agência Bloomberg, a Aramco poderá entrar em bolsa “a partir de novembro” e cerca de 2% do capital […] pode ser vendido, o que pode render 40 mil milhões de dólares”, de acordo com fontes citadas pela agência financeira.

A entrada em bolsa da Aramco está prevista em duas etapas, a primeira em novembro no mercado local e depois uma segunda cotação numa praça financeira internacional que ainda não foi determinada, sendo apontadas como prováveis as bolsas de Nova Iorque e Hong Kong.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Entrada em bolsa da petrolífera Aramco será “muito em breve”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião