Euronext vai aliar-se a capital de risco para captar startups para a bolsa

O plano estratégico, para os próximos três anos, da empresa que detém a bolsa de Lisboa passa por apostar nas startups e na dívida verde. Nos novos serviços, a prioridade é o post-trade.

A Euronext está a trabalhar numa parceria com empresas de private equity e capital de risco para facilitar a entrada de startups na bolsa. Esta é uma das propostas do plano estratégico para os próximos três anos do grupo que gere a bolsa de Lisboa e que aposta ainda num novo segmento de dívida verde e na diversificação de serviços pós-negociação.

“Temos planeado lançar uma parceria com empresas de private equity e de capital de risco, incluindo em Portugal”, afirmou Isabel Ucha, presidente da Euronext Lisbon, num encontro esta segunda-feira em que explicou as implicações do plano para Portugal. O objetivo é “estabelecer uma plataforma onde empresas de private equity e capital de risco se vão juntar à Euronext com um quadro de cooperação que permita que mais saídas possam seguir o caminho do mercado de capitais“.

Ou seja, no momento em que os investidores privados querem sair do capital das startups, a possibilidade de abrir o capital em bolsa surge como uma opção. As bases da iniciativa serão a partilha de informação sobre a leitura do mercado para cada empresa e mercado, acrescentou Ucha sobre o projeto que ainda não tem data para avançar e que irá junta-se a outras iniciativas focadas nas startups, como é o caso do programa de formação para tecnológicas TechShare ou as equipas de angariação do Tech Hub.

“Depois temos uma área entre mercados públicos e privados, onde vamos explorar soluções que não estão obrigadas aos mercados regulados e que vai procurar soluções onde investidores e empresas se encontrem de forma mais simples e com menores custos”, acrescentou Isabel Ucha, apontando para uma realidade de mercado para empresas não cotadas que já existe na recém adquirida bolsa da Noruega.

Novo segmento de green bonds chega ainda este ano

Se startups e tecnológicas são o foco da Euronext no que diz respeito ao mercado acionista, é a sustentabilidade que é a prioridade na dívida. O grupo vai, em simultâneo, lançar este ano um novo segmento de mercado que pretende facilitar a emissão deste green bonds, ou seja ativos com determinados critérios e que pretende financiar projetos sustentáveis.

“Sentimentos que são preocupações que os emitentes têm na sua estratégia e os investidores estão a colocar no centro. Vamos lançar um segmento dedicado a green bonds ainda este ano. As green bonds vão ser separadas e vão ter requisitos definidos de acordo com standards internacionais com verificação externa”, explicou Ucha, acrescentando que o segmento será acompanhado de um programa de formação e de um guia de reporte de informação não financeira.

"Temos a perceção que este mercado [das green bonds] vai continuar a crescer de forma muito rápida porque há uma pressão muito grande dos investidores institucionais que têm necessidade de ter estes ativos em carteira. A perceção que temos é que vai haver uma aceleração muito grande.”

Isabel Ucha

Presidente da Euronext Lisboa

Atualmente, o grupo tem 180 emissões de green bonds cotadas, equivalentes a 60 mil milhões de euros e a 30% do total global deste ativo. Em Portugal, há apenas quatro emitentes: a EDP em maior volume e, em menor escala, a Sociedade Bioelétrica do Mondego e o Pestana. No entanto, a presidente da bolsa de Lisboa acredita que haverá mais emissões, até porque o mercado o obriga.

“Temos a perceção que este mercado vai continuar a crescer de forma muito rápida porque há uma pressão muito grande dos investidores institucionais que têm necessidade de ter estes ativos em carteira. A perceção que temos é que vai haver uma aceleração muito grande“, afirmou. “Quem vai convencer as empresas vão ser os investidores“, sublinhou, acrescentando que o mercado vai começar a penalizar, através das taxas de juro, quem não adotar estas soluções.

Para os investidores, a Euronext vai criar mais índices de sustentabilidade que respondam ao aumento do investimento passivo, sendo que, nos últimos dois anos, dois em cada três novos índices cumpriam já critérios de sustentabilidade.

Post-trade na mira das aquisições

O plano estratégico 2019-2022 define como objetivo que o grupo seja a “infraestrutura pan-europeia de mercado líder na Europa” e não apenas uma gestora de bolsas, tendo o post trade, clearing, liquidação e custódia de títulos ganho destaque para a empresa. Em Portugal, estas atividades já são feitas na Interbolsa (que está no centro tecnológico da Euronext no Porto), enquanto a Noruega tem uma central de liquidação e o grupo tem também três participações em empresas do setor.

A Euronext pretende agora expandir o modelo e continuar a diversificar serviços a cotadas, membros do mercado e investidores. Como? Consolidando estas atividades no Euronext CSD for Europe, mas também através de novas aquisições.

A intenção é pegar neste conjunto de ativos e desenvolver uma nova atividade. Esta área é muito fragmentada na Europa portanto haverá oportunidades de consolidação. É preciso encontrar soluções mais simples e mais baratas para esta área do negócio. A partir de uma base mais alargada, podemos desenvolver mais serviços durante o próximo ano”, afirmou Isabel Ucha.

Assim, a estratégia de fusões e aquisições que tem sido implementada com a compra de novas bolsas (incluindo, mais recentemente, a Irlanda e a Noruega) reforça a abrangência a estruturas complementares e empresas de diversificação de serviços.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Euronext vai aliar-se a capital de risco para captar startups para a bolsa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião