Irão disponível para renegociar acordo nuclear com potências

  • Lusa
  • 14 Outubro 2019

O Presidente iraniano disse estar disponível para renegociar o acordo nuclear com as principais potências, desde que isso não contribua para a campanha presidencial de Donald Trump.

O Presidente iraniano, Hassan Rohani, disse esta segunda-feira que está disponível para reunir com os líderes das principais potências, incluindo os Estados Unidos, para discutir o acordo nuclear, desde que não contribua para a campanha presidencial de Donald Trump.

Os Estados Unidos abandonaram o acordo nuclear com o Irão em 2018, considerando que não estavam a ser cumpridos os seus requisitos e impondo fortes sanções económicas contra Teerão, por continuar a prosseguir o seu programa nuclear.

O Irão disse hoje estar disponível para renegociar o acordo nuclear com as principais potências, mas manifestou o seu receio de que Donald Trump queira tirar proveito da iniciativa para a sua campanha de reeleição presidencial, em 2020. “Eu disse claramente aos líderes dos países europeus que, caso me certifique de que é uma reunião do grupo 5 + 1 (China, França, Reino Unido, Rússia e EUA, mais a Alemanha), e que não é uma reunião eleitoralista para o senhor Trump, eu estou disponível“, disse Rohani, numa conferência de Imprensa.

O Presidente do Irão acusou ainda o Governo norte-americano de ter cedido a pressões de grupos extremistas, de sionistas (referentes a Israel) e da Arábia Saudita, quando decidiu romper o acordo nuclear, acrescentando que, dessa forma, “cometeu um enorme erro”. Rohani disse ainda manter bons laços com a Rússia e a China, mas denunciou os países europeus que ainda se mantêm no acordo nuclear assinado em 2015 (Reino Unido, França e Alemanha) por se terem deixado corromper pelos Estados Unidos e “não cumprem as suas promessas”.

Até se encontrar um novo acordo, o Presidente iraniano disse que o seu país manterá a estratégia de reduzir os seus compromissos no tratado nuclear vigente, continuando a aumentar a produção de urânio enriquecido, bem acima dos níveis estabelecidos.

Hassan Rohani acusou ainda “um Governo” de estar por detrás de duas explosões ocorridas a 10 de outubro a bordo de um navio petroleiro iraniano no mar Vermelho, sem especificar a que país se refere. “Sem dúvida, um Governo esteve envolvido. Não foi a ação de terroristas, de um grupo ou de um indivíduo. Foi o trabalho de um Governo”, disse Rohani, na conferência de Imprensa.

“Foi um ato hostil e traiçoeiro”, disse o Presidente iraniano, que no passado tem acusado os Estados Unidos e a Arábia Saudita de ataques contra interesses iranianos na região do Golfo, onde têm ocorrido diversos incidentes militares de retaliação entre os países.

Em setembro, EUA e Arábia Saudita atribuíram ao Irão a responsabilidade por um ataque na principal base de produção de petróleo saudita. Rohani confirmou que tem uma gravação de vídeo em que se podem ver vários mísseis a ser disparados contra o navio “Sabiti”, que foi atingido por dois deles, a cerca de 100 quilómetros da costa oeste da Arábia Saudita.

A empresa proprietária do petroleiro já tinha divulgado fotos que revelavam dois buracos acima da linha de água do lado de estibordo do navio, atribuindo o rombo a um provável ataque de mísseis. No sábado, o secretário do Conselho Supremo de Segurança Nacional Iraniana, Ali Shamkhani, garantiu que o ataque não ficaria sem resposta.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Irão disponível para renegociar acordo nuclear com potências

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião