Tensão aumenta depois do Irão anunciar incumprimento de acordo nuclear

Teerão anuncia que o limite de enriquecimento de urânio será ultrapassado. A China apontou a "intimidação" exercida pelos EUA como a causa pela atual crise no Irão e a Rússia apela ao diálogo.

Depois da escalada da tensão entre os Estados Unidos e o Irão que se seguiu à decisão do Presidente norte-americano, Donald Trump, de retirar unilateralmente o seu país do acordo nuclear e de restabelecer sanções contra o Irão, Teerão anunciou que irá retomar o enriquecimento de urânio a uma taxa de concentração superior a 3,67%, quebrando assim um dos principais compromissos assumidos no acordo nuclear com várias potências mundiais.

Esta decisão do Irão coloca ainda mais pressão sobre a China e os países europeus signatários, após a retirada unilateral dos Estados Unidos. Este anúncio já começou a provocar um aumento da tensão entre os países que exigem ao Irão reduções no programa nuclear.

“Se certos países que fizeram parte do acordo (sobre energia nuclear do Irão) se comportarem de forma estranha e incompreensível, nós ultrapassaremos todas as etapas seguintes (do plano de redução) e passaremos à última etapa”, afirmou o porta-voz do ministro dos Negócios Estrangeiros do Irão, Abbas Moussavi, durante uma conferência de imprensa em Teerão.

Relativamente à possibilidade de o Irão abandonar o acordo de Viena e sair do Tratado de Não Proliferação Nuclear, Moussavi repetiu que Teerão considera que todos os cenários estão em aberto. “Todas as opções são possíveis no futuro, mas nenhuma decisão foi tomada”, salientou Moussavi.

Por seu lado, Moscovo mostrou a sua preocupação com a decisão de Terrão de começar a enriquecer urânio a um nível que foi proibido pelo acordo internacional de 2015 e apela à “continuação do diálogo” com os iranianos. “A Rússia quer acima de tudo continuar o diálogo e os esforços na frente diplomática”, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, acusando os Estados Unidos de serem responsáveis pelas atuais tensões.

A China concorda e aponta a “intimidação” exercida pelos Estados Unidos como a causa pela atual crise no Irão. “A pressão máxima exercida pelos Estados Unidos sobre o Irão é a fonte da crise nuclear iraniana”, disse Geng Shuang, porta-voz do ministério chinês dos Negócios Estrangeiros, em conferência de imprensa.

Três países signatários reagiram ao anúncio iraniano, com Londres e Berlim a pedirem a Teerão que reconsidere, e Paris a expressar “grande preocupação”, apelando a que o Irão suspenda todas as atividades que “não respeitem o acordo”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tensão aumenta depois do Irão anunciar incumprimento de acordo nuclear

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião