Gasóleo aumenta 1 cêntimo com tensão entre EUA e Irão. Gasolina inalterada

Crise no Golfo Pérsico vai passar fatura aos condutores de carros a diesel. O gasóleo deverá registar um agravamento de um cêntimo na próxima semana. Já a gasolina não mexe de preço.

O gasóleo deverá registar um agravamento do preço na próxima semana, na sequência da escalada das tensões entre os EUA e o Irão. O diesel, o combustível mais usado pelas famílias portuguesas, prepara-se para ficar um cêntimo mais caro a partir de segunda-feira, disse fonte do setor ao ECO. Já no preço da gasolina vai manter-se.

Sendo assim, de acordo com as estatísticas da Direção-Geral de Energia, o gasóleo prepara-se para a primeira subida em seis semanas, devendo encarecer para os 1,333 euros por litro a partir da meia-noite da próxima segunda-feira.

Para a gasolina simples 95, não havendo qualquer variação, cada litro continuará a custar cerca de 1,49 euros, de acordo com os mesmos dados oficiais.

A evolução dos preços dos combustíveis reflete o comportamento da cotação do petróleo e dos derivados petrolíferos nos mercados internacionais na última semana e ainda da cotação do euro, tendo em conta que as matérias-primas são geralmente transacionadas em dólares e a apreciação/depreciação da divisa americana torna as exportações para o euro mais caras/baratas.

Por causa do agravamento das tensões entre EUA e Irão, depois do abate de um drone americano por iranianos, o barril de ouro negro está a disparar nos mercados esta semana. O contrato do Brent, negociado em Londres, apresenta esta semana uma valorização de 5,61%, estando a cotar nos 65,52 dólares por barril. Já o barril crude, negociado em Nova Iorque, soma quase 10% desde segunda-feira, cotando-se nos 67,65 dólares.

Por causa daquele incidente no Estreito de Ormuz, Donald Trump, presidente norte-americano, disse no Twitter que o “Irão cometeu um erro muito grande” ao ter abatido o drone militar americano.

Os preços ao consumidor podem diferir de posto de abastecimento para posto de abastecimento.

(Notícia atualizada às 12h35 com indicação de que preço da gasolina não altera)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Gasóleo aumenta 1 cêntimo com tensão entre EUA e Irão. Gasolina inalterada

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião