Portugal fechou 2018 com a maior almofada financeira na Europa

De acordo com o Eurostat, 11% da dívida portuguesa correspondia à almofada financeira que o Tesouro considera ser uma espécie de "seguro" contra eventuais choques no mercado.

Portugal fechou 2018 com a maior almofada financeira na União Europeia, com 11% da dívida pública portuguesa a ser dedicada a esta espécie de “seguro” para proteger o país de eventuais crises no mercado de dívida, como a crise de 2011.

Os dados revelados esta sexta-feira pelo Eurostat mostram ainda que Portugal tem a terceira maior dívida entre os Estados-membros, correspondendo a 121,5% da riqueza que produz anualmente. Só é ultrapassado neste ranking pela Grécia (181,1% do Produto Interno Bruto) e Itália (132,2% do PIB). Ainda assim, uma boa parte do endividamento do Governo português corresponde a “moeda e depósitos” que estão guardados no cofre para fazer face a eventuais contratempos no mercado, mais concretamente 10,8% da dívida pública.

Trata-se da maior almofada financeira na região. No caso irlandês e britânico as almofadas financeiras correspondiam a 10,5% e 10,4% da dívida, respetivamente, e em Itália era de 8%, colocando-se imediatamente atrás de Portugal neste ranking. O Eurostat diz que “geralmente” as almofadas financeiras são relativamente pequenas na União Europeia, excetuando estes três países.

Maiores almofadas financeiras na Europa

Fonte: Eurostat

Cristina Casalinho, presidente do IGCP, o instituto que faz a gestão da dívida pública, já admitiu que ter uma almofada “confortável” comporta os seus encargos financeiros, mas considera que “vale a pena ter este seguro”. “É como se fosse uma apólice de seguro. Cumpre os custos. É uma proteção eficaz em momentos de crise“, disse em 2017 no Parlamento.

Por outro lado, faz parte das regras com os credores oficiais ter uma almofada financeira robusta para que Portugal possa antecipar os reembolsos oficiais, como já o fez com o Fundo Monetário Internacional (FMI). Agora, o Governo quer começar a devolver a ajuda financeira prestada pelos credores europeus.

Em termos absolutos, a dívida pública portuguesa ascendia a 252,4 mil milhões de euros em abril. Mas terá dado um trambolhão este mês, dado que Portugal passou um cheque aos mercados no valor de oito mil milhões no passado dia 14 de junho, quando venceu uma linha de obrigações a 10 anos.

Ainda de acordo com o Eurostat, quase 17% da dívida portuguesa eram títulos com maturidade inferior a um ano. Ou seja, é o terceiro país da União Europa com maior proporção de dívida de curto prazo. Apenas Suécia (20,5%) e Hungria (17,9%) superavam Portugal neste capítulo.

(Notícia atualizada às 12h20)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal fechou 2018 com a maior almofada financeira na Europa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião