Almofada é cara? É, mas “sou conservadora”, diz Casalinho

Presidente do IGCP pretende manter uma almofada de capital que custa 200 milhões de euros. O "cash buffer é caro, mas vale a pena ter este seguro", diz a presidente do IGCP.

Em resposta ao deputado Paulo Sá, do PCP, sobre os custos significativos da almofada de liquidez, a presidente do IGCP, Cristina Casalinho, disse que era “uma pessoa tradicionalmente conservadora” e que, apesar de concordar que o “cash buffer é caro, vale a pena ter este seguro”.

O custo de manter uma almofada de liquidez situou-se nos 182 milhões de euros em 2016, segundo as estimativas da agência que gere a dívida pública, notando uma redução desta fatura face a 2015 (210 milhões) e 2014 (342 milhões). E estes custos foram sublinhados por aquele deputado comunista na audição anual do IGCP na Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa.

Cristina Casalinho concordou com Paulo Sá nos custos, mas… “Apesar de concordar que o cash buffer é caro, vale a pena ter este seguro. É como se fosse uma apólice de seguro. Cumpre os custos. É uma proteção eficaz em momentos de crise. Preferimos não ter o contrafactual. Sou uma pessoa tradicionalmente conservadora”, sublinhou a responsável pela gestão da dívida pública portuguesa.

"Apesar de concordar que o cash buffer é caro, vale a pena ter este seguro. É como se fosse uma apólice de seguro. Cumpre os custos. É uma proteção eficaz em momentos de crise. Preferimos não ter o contrafactual. Sou uma pessoa tradicionalmente conservadora”

Cristina Casalinho

Presidente do IGCP

De acordo com relatório anual do IGCP, apresentado esta semana, o saldo médio de depósitos do Estado foi de 12,4 mil milhões de euros em 2016 — abaixo dos montantes registados em 2015 (13,86 mil milhões de euros) e em 2014 (17,4 mil milhões).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Almofada é cara? É, mas “sou conservadora”, diz Casalinho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião