Tensões entre EUA e Irão pressionam Wall Street. Petróleo avança

As principais praças norte-americanas abriram esta sexta-feira em queda após Trump ter planeado um ataque contra o Irão. Wall Street inverteu a tendência de entusiasmo que tinha chegado com a Fed.

O Presidente norte-americano aprovou um ataque militar contra o Irão em resposta ao abate de um drone dos Estados Unidos por forças iranianas. Ainda que Donald Trump tenha acabado por recuar, as tensões entre os dois países estão a penalizar Wall Street, onde as principais praças norte-americanas abriram em queda.

Trump tinha inicialmente aprovado ataques a uma série de alvos iranianos (como radares e baterias de mísseis), tendo sido entretanto iniciada a preparação dessas operações. Segundo o Wall Street Journal, os aviões e os barcos estavam a postos, aguardando apenas a ordem final para atacar. Essa ordem acabou, contudo, por não chegar e Trump usou o Twitter para explicar que quis evitar a morte de civis.

Após a escalada de tensão entre os dois países, o petróleo segue em alta nos mercados internacionais. O crude WTI negociado em Nova Iorque valoriza 0,46% para 57,33 dólares por barril, enquanto o brent negociado em Londres sobe 0,90% para 65,03 dólares por barril.

Em sentido contrário, as ações norte-americanas desvalorizam. O índice industrial Dow Jones abriu a recuar 0,03% para 26.746,05 pontos, enquanto o financeiro S&P 500 desliza 0,02% para 2.953,50 pontos. Já o tecnológico Nasdaq perde 0,29% para 8.028,01 pontos.

O mercado acionista nos EUA inverteu assim a tendência das últimas sessões. A Reserva Federal norte-americana sinalizou que poderá cortar a taxa de juro de referência em 0,5 pontos percentuais e o mercado antecipa agora que haja três cortes ainda este ano. Graças às declarações, o S&P 500 a fechar na última sessão em máximos históricos.

“Quando se olha para a magnitude de movimentos que se têm registado num curto espaço de tempo, especialmente esta semana, não é surpreendente ver os mercados em baixa hoje”, disse Art Hogan, chief market strategist da National Securities, à Reuters. “Aproxima-se agora a reunião do G20, que poderá ser importante para o sentimento bullish ou bearish. Não é fora do comum que os investidores façam uma pausa”.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tensões entre EUA e Irão pressionam Wall Street. Petróleo avança

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião