Juiz Ivo Rosa tentou proteger Polícia Judiciária Militar no caso de Tancos

  • ECO
  • 14 Outubro 2019

Inspetores da Polícia Judiciária querem investigar a sua congénere militar e aceder a dados de tráfego das antenas de telemóvel. Ivo Rosa tentou impedir o acesso, mas tribunal contrariou juiz.

Ivo Rosa tentou proteger a Polícia Judiciária Militar das investigações da congénere civil ao reaparecimento do material roubado em Tancos. O juiz de instrução criminal impediu o acesso dos inspetores da PJ a dados de tráfego das antenas de telemóvel por considerar que violava a Constituição. Mas o Tribunal da Relação de Lisboa teve outro entendimento e permitiu o acesso a essa informação considerada essencial nas diligências. Ainda assim, os investigadores acabaram por perder cerca de cinco meses com decisão de Ivo Rosa, relata o jornal Público esta segunda-feira (acesso condicionado).

Em outubro de 2017, menos de uma semana depois de ter aparecido o material militar roubado do paiol de Tancos, os inspetores da Polícia Judiciária decidiram pedir aos operadores informações sobre as listas de tráfego — chamadas e mensagens escritas — das antenas de telemóvel do Montijo, Golegã, Entroncamento e Torres Novas — tinha sido feita de uma cabine telefónica do Montijo a chamada supostamente anónima para o piquete da Judiciária Militar, a dar conta do paradeiro do armamento. Ivo Rosa considerou isso ilegal e não permitiu o acesso, tendo considerado que “as antenas em causa abrangem uma grande dispersão territorial” e haveria “violação da reserva da intimidade da vida privada”.

Inconformado com a decisão, o Ministério Público recorreu para o Tribunal da Relação de Lisboa, que cinco meses depois autorizou o acesso àquela informação, considerando “absolutamente nuclear para a investigação”, refere o Público.

Entretanto, segundo o Diário de Notícias (acesso pago), um relatório da Polícia Judiciária civil sobre o processo de Tancos concluiu que existiram fugas de informação para os jornais que “possibilitaram aos suspeitos ter acesso às linhas de trabalho da investigação, bem como às diligências que iam sendo realizadas”, causaram “o descrédito na investigação” e “minaram todas as diligências de forma irremediável”.

De acordo com o Diário de Notícias, a Polícia Judiciária civil reuniu dezenas de artigos e cronologicamente estabeleceu uma relação entre as informações partilhadas com a Polícia Judiciária Militar, ainda numa fase inicial do inquérito, e as notícias que foram publicadas, apontando o dedo aos militares pelas “sucessivas fugas”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Juiz Ivo Rosa tentou proteger Polícia Judiciária Militar no caso de Tancos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião