Papeleiras caem 1% e voltam a castigar bolsa de Lisboa

Apenas duas cotadas nacionais resistem no arranque da sessão nacional. Papeleiras continua no centro das atenções, com investidores atentos às negociações entre EUA e China.

As papeleiras Navigator e Altri caem 1% no arranque da sessão em Lisboa, e juntamente com mais 14 cotadas deixam o principal índice português a negociar abaixo da linha de água.

Por fazerem parte de um setor cíclico, sensível às variações da economia mundial e à dinâmica das exportações, a Navigator e Altri continuam bastante dependentes do sentimento dos investidores em relação à evolução das negociações entre os EUA e a China para evitar uma guerra comercial entre os dois grandes blocos mundiais.

Embora tenham recuperado parte das perdas no final de semana passada, as duas papeleiras voltam a ceder esta segunda-feira. A Navigator cai 1,08% para 3,28 euros, com a “casa-mãe” Semapa a perder 1,63% para 12,1 euros. A Altri cede mais de 0,8%. Já o PSI-20 recua 0,52% para 4.978,20 pontos.

“Não só a Navigator e a Altri são duas empresas cujas atividades são altamente cíclicas, como a China é o principal comprador mundial de pasta e papel”, referem os analistas do BPI no Diário de Bolsa. “Assim sendo, embora não seja de excluir que o efeito técnico ainda não se tenha esgotado, é importante frisar que para que a recuperação assuma moldes mais sólidos é necessário que o sentimento dos investidores em relação às empresas cíclicas se torne positivo, de forma mais vincada e duradoura”, acrescentam.

Navigator cai mais de 1%

NVG 0,37%

No dia em que arranca a oferta de subscrição de obrigações da Mota-Engil, as ações da construtora (também ela sensível ao andamento da economia mundial) seguem em baixa de 0,48% para 1,883 euros.

Entre os pesos pesados, o BCP também está em queda, embora as perdas sejam mais ligeiras: o banco recua 0,10% para 0,1953 euros. Galp, EDP e EDP Renováveis também estão no vermelho e a pressionara o índice português. Do lado positivo, de resto, estão apenas a Pharol e a Sonae Capital, com subidas de 0,8% e 1,8%, respetivamente.

Lá por fora, a sessão europeia também iniciou abaixo da linha de água, com o benchmark Stoxx 600 a cair 0,61% para 389,22 pontos e as perdas nas bolsas de Madrid, Milão e Frankfurt a situarem-se entre 0,3% e 0,6%. Além da guerra comercial, o Brexit vai continuar a dominar a atenção os analistas.

“Durante esta e as próximas sessões, os investidores irão manifestar o seu veredicto sobre o acordo entre os EUA e a China. Em relação à diminuição de uma saída desordenada do Reino Unido da União Europeia, o seu impacto nos índices europeus deverá ser limitado”, vaticinam os analistas do BPI.

(Notícia em atualização)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Papeleiras caem 1% e voltam a castigar bolsa de Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião