Cofina entrega pedido de registo da OPA à TVI à CMVM. Media Capital tem oito dias para se pronunciar

Incluindo a dívida (enterprise value), a operação de compra da Media Capital envolve cerca de 255 milhões de euros. Próximos passos são as autorizações regulatórias.

A Cofina oficializou o pedido de registo da oferta pública de aquisição (OPA) da Cofina sobre as ações da Media Capital. Após o anúncio preliminar lançado há três semanas, o pedido de registo deu entrada, na sexta-feira passada, na Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), ou seja, na data limite do prazo. A administração da dona da TVI tem agora oito dias para se pronunciar, ou seja, até ao próximo sábado.

“A CMVM confirma ter recebido da Cofina – SGPS, S.A. na sexta-feira, dia 11 de outubro, o pedido de registo da oferta pública de aquisição de ações representativas do capital social do Grupo Media Capital, SGPS, SA., com isso se dando sequência, nos trâmites habituais, à análise da operação“, afirmou fonte oficial da CMVM ao ECO.

A dona do Correio da Manhã propõem-se pagar 2,3336 euros por cada ação da dona da TVI que não é controlada pela Prisa e 2,1322 euros pelas mais de 80 milhões de ações que estão nas mãos do grupo espanhol. Assim, a oferta global ascende a 180 milhões de euros. Incluindo a dívida (enterprise value), a operação de compra da Media Capital envolve cerca de 255 milhões de euros.

Esta foi a proposta, mas pode não ser o valor final. O supervisor diz, contudo, que o preço a pagar aos pequenos investidores terá de ser fixado por um auditor independente porque a Media Capital apresenta uma liquidez na bolsa muito reduzida e isso impede que se possa calcular o valor “equitativo” da contrapartida da OPA à luz das regras do mercado.

As ações da Media Capital, que não negoceiam desde 4 de outubro, valem atualmente 2,02 euros por ação na bolsa de Lisboa. O valor fica 13,44% abaixo do montante oferecido pelas ações dispersas em bolsa e 18,45% abaixo do valor a que negociavam antes do lançamento da OPA (2,48 euros).

OPA à espera dos reguladores

Além do parecer da administração da Media Capital para os acionistas, há uma série de passos que ainda são necessários, desde logo dos supervisores. Tanto a Autoridade da Concorrência como a Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) já foram notificadas do negócio, mas ainda nenhuma deu parecer.

Por último, será feito um aumento de capital para concretizar a operação. “À aprovação de um ou mais aumentos do capital social do oferente por novas entradas em dinheiro, no montante necessário para, conjuntamente com a parcela de financiamento bancário a contrair pela Oferente, financiar o preço de aquisição das ações representativas de 100% (cem por cento) do capital social da Vertix [o veículo que a Prisa usa para controlar a Media Capital]”, lê-se no comunicado.

O financiamento da operação está assegurado através de crédito bancário já aprovado e da realização do aumento de capital. Excluindo a percentagem do capital em free-float, o aumento de capital está garantido em mais de 50% pelos atuais acionistas de referência, sendo, no entanto, possível que entrem novos investidores com posições qualificadas. Como já foi avançado pelo ECO, o empresário Mário Ferreira e a Abanca deverão ser os novos parceiros da Cofina neste processo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cofina entrega pedido de registo da OPA à TVI à CMVM. Media Capital tem oito dias para se pronunciar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião