Tomás Correia: “Não sou condicionável por coisa nenhuma”

  • ECO e Lusa
  • 17 Outubro 2019

Tomás Correia diz que não vai anunciar saída no dia 24. Ainda assim, revela que já não tem "condições físicas e até intelectuais" para continuar a assumir à frente da mutualista.

Tomás Correia afirmou esta quinta-feira que não é “condicionável por coisa nenhuma”, recusou estar a ser afastado da mutualista e reiterou que não sairá no dia 24 de outubro. Ainda assim, o presidente da Associação Mutualista Montepio Geral (AMMG), com 75 anos, revelou que “a dada altura” terá de sair. “Até porque já não tenho condições físicas e até intelectuais para poder continuar a assumir esta responsabilidade”, disse.

“Eu não sou condicionável por coisa nenhuma. Os senhores podem escrever, dizer, falar o que quiserem. Eu nunca fui condicionável na minha vida. Eu sou autónomo desde os meus 10 anos de idade, vivo com a minha própria capacidade e com o meu próprio discernimento”, afirmou Tomás Correia esta quinta-feira à margem da Jornada Internacional pela Erradicação da Pobreza, que decorreu no edifício da mutualista Montepio, em Lisboa.

Face a notícias que davam conta da sua possível saída no conselho geral da AMMG, no dia 24 de outubro, como o ECO escreveu, Tomás Correia voltou a garantir que não sairá da associação nessa data.

O jornal Público escreve esta quinta-feira, também, que a Autoridade de Supervisão dos Seguros e Fundos de Pensões (ASF) se prepara para chumbar os requisitos de idoneidade que permitiriam que Tomás Correia se mantivesse à frente da associação.

"Eu não sou condicionável por coisa nenhuma. Os senhores podem escrever, dizer, falar o que quiserem. Eu nunca fui condicionável na minha vida.”

Tomás Correia

Presidente da AMMG

“Não estou a ser afastado. E não me condicionam com essa conversa. Dia 24 não saio de certeza absoluta. Podem ficar tranquilos“, disse o líder da Mutualista Montepio aos jornalistas. No entanto, Tomás Correia afirmou que a sua saída da mutualista terá de acontecer a “dada altura”, devido à idade.

“É óbvio que eu por razões de idade, numa dada altura, hei de sair do Montepio, até porque já não tenho condições físicas e até intelectuais, se quiserem pensar assim, para poder continuar a assumir esta responsabilidade”, afirmou.

Tomás Correia reconheceu que “é natural que alguém que vai a caminho dos 75 anos tenha caminhos diferentes para fazer”, mas que só sairá “quando entender que é o momento, em boa ordem”.

“Nunca ninguém me condicionou aos 10 anos, e não é agora que estou a caminho dos 75 que me condicionam”, reiterou, acrescentando que quando sair da presidência da AMMG o fará de consciência tranquila.

"É óbvio que eu por razões de idade, numa dada altura, hei de sair do Montepio, até porque já não tenho condições físicas e até intelectuais, se quiserem pensar assim, para poder continuar a assumir esta responsabilidade.”

Tomás Correia

Presidente da AMMG

“Ao longo da minha vida, sempre tive consciência de que fiz o melhor que podia e sabia, e aquilo que tenho feito no Montepio também me dá essa confiança, essa tranquilidade, de ter feito o melhor que sabia e podia”, concluiu.

Sobre o seu papel no Montepio, Tomás Correia afirmou que conduziu a instituição “num quadro de crise profunda, em que provavelmente não havia muita gente que o fizesse“, dizendo-se apenas “uma pequena parte” de um todo, os funcionários do Montepio.

“Consegui enfrentar uma grande crise nesta instituição. Ela cá está, enfim, com todas as dificuldades, porque não viveu em ambiente amniótico, e cá está para enfrentar o futuro e dar o seu contributo para a economia”, concluiu.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tomás Correia: “Não sou condicionável por coisa nenhuma”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião