Regulador dá luz verde à administração da mutualista Monaf. Tomás Correia em espera

Autoridade que supervisiona os seguros, fundos de pensões e grandes mutualistas autorizou o registo dos membros dos órgãos sociais da associação Monaf. Tomás Correia e Montepio continuam em espera.

A Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF), que desde setembro de 2018 passou a supervisionar as grandes mutualistas, já deu luz verde à administração da Monaf – Montepio Nacional da Farmácia. À espera de autorização do regulador liderado por Margarida Corrêa de Aguiar continuam, entretanto, Tomás Correia e outros 22 membros de órgãos sociais da Associação Mutualista Montepio Geral (AMMG).

Com o novo Código das Associações Mutualistas, que entrou em vigor há um ano, as grandes mutualistas passaram para esfera de supervisão do regulador dos seguros. Entre as competências que foram atribuídas à ASF está a avaliação de quem gere estas instituições, tal como o Banco de Portugal faz em relação à análise da idoneidade dos administradores dos bancos.

No caso da Monaf, uma das duas mutualistas que estão agora na alçada da ASF, o regulador autorizou no passado dia 8 de outubro o exercício de funções de 13 membros que integramos órgãos sociais daquela associação, incluindo a direção liderada por Luís Miguel Silvestre. O mandato da atual administração já se encontrava em curso quando o regulador iniciou o processo de avaliação.

A outra mutualista em questão é a AMMG. A ASF continua a analisar o processo de avaliação dos membros dos órgãos sociais daquela que é a maior mutualista do país. Há vários meses que esta avaliação está a decorrer. Depois de ter sido alvo de uma coima do Banco de Portugal, Tomás Correia, presidente da AMMG reeleito no final do ano passado, arrisca a ser chumbado pelo regulador, mas uma decisão ainda não foi tomada.

(Notícia atualizada às 12h14)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Regulador dá luz verde à administração da mutualista Monaf. Tomás Correia em espera

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião