Catalunha: Puigdemont critica “deslealdade” no espaço independentista

  • Lusa
  • 20 Outubro 2019

Depois da reunião levada a cabo pelo presidente do Parlamento da Catalunha para tentar resolver a crise dessa região, Carles Puigdemont alerta para "deslealdade" no espaço independentista.

O ex-presidente do governo regional da Catalunha, Carles Puigdemont, advertiu, este domingo, que a “deslealdade e a divisão intencionais” no espaço independentista são um obstáculo “difícil de superar”, numa resposta à iniciativa do presidente do Parlamento da Catalunha, Roger Torrent.

Torrent, Ada Colau (autarca de Barcelona) e representantes do CCOO, UGT, Pimec, Foment del Treball, Circulo de Economia, LaFede.cta, a Taula del Tercer Sector e a FAVB reuniram-se no sábado para criar um espaço de trabalho que tem como objetivo baixar a tensão e alcançar uma solução democrática para o conflito politico na Catalunha.

A iniciativa incomodou aoJxCat, que criticou o facto de não ter sido informada do encontro e de ter sido “vetada” a Assembleia Nacional Catalã (ANC), pelo que pediu explicações a Torrent. Nesse contexto, o líder do JxCat, Carles Puigdemont, lançou uma mensagem na rede social Twitter: “A deslealdade e a divisão intencionais são um grave obstáculo, difícil de superar. Nenhum cálculo partidário o justifica. Alguns vão dar conta quando já for demasiado tarde e descobrirão que a unidade que tanto reclamamos haveria sido muito eficaz nestes momentos”.

O primeiro vice-presidente do Parlamento e deputado do JxCat, Josep costa, lamentou-se na mesma rede social, avançando que conheceu a proposta de Torrent pela imprensa e que não se tenha criado um espaço de trabalho “transversal”. “Faz-nos falta unidade e não iniciativas sectárias”, disse.

Este domingo, uma centena de pessoas deslocou-se até à residência de Puigdemont, na localidade belga de Waterloo, para iniciar uma marcha de 17 quilómetros até Bruxelas para protestar contra a sentença do Supremo Tribunal aplicada aos políticos independentistas.

Puigdemont foi saudar os manifestantes, que se juntaram debaixo de chuva, e disse-lhes que não os podia acompanhar porque tinha “trabalho”. Seis pessoas foram atendidas esta noite nos serviços de emergência médica de Barcelona, em Espanha, nesta jornada mais tranquila da semana na Catalunha, após quatro noites de graves confrontos com a polícia nas ruas.

Com a polícia em alerta máximo devido à escalada de violência nos últimos dias, e um grande dispositivo no centro de Barcelona, houve apenas momentos de tensão intermitentes na praça Urquinaona, epicentro da batalha campal de sexta-feira.

Os movimentos de protesto começaram na segunda-feira, depois de ser conhecida a sentença contra os principais políticos catalães responsáveis pela tentativa de independência, em outubro de 2017. Os juízes decidiram condenar nove deles a penas até 13 anos de prisão, por delitos de sedição e peculato.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Catalunha: Puigdemont critica “deslealdade” no espaço independentista

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião