Tiros, detidos e feridos em dia de greve na Catalunha

Cerca de meio milhão de pessoas saíram à rua na Catalunha em protesto contra a condenação a penas de prisão dos líderes separatistas. Há pelo menos três detidos e os protestos subiram de tom.

Mais de meio milhão de pessoas ocupam o centro de Barcelona numa grande manifestação convocada pelos sindicatos independentistas contra a condenação dos políticos envolvidos na tentativa separatista de 2017. Os protestos sobem de tom, há pelo menos três detidos e os principais acessos à cidade estão cortados.

As marchas provenientes de cinco localidades catalãs chegaram ao centro de Barcelona e estão a provocar o caos na cidade. Segundo as estimativas da polícia local há 525.000 de pessoas a participarem nos protestos, sendo que a grande maioria se localiza na zona da Gran Vía, avança o El País (acesso livre, conteúdo em espanhol). Há ainda um outro protesto na Via Laietana, onde vários estudantes e pessoas anti-sistema estão a provocar grandes distúrbios.

Neste local há relatos de contentores incendiados, pedras a serem atiradas e até sinais de trânsito arrancados. Os Mossos d’Esquadra, a polícia catalã, dizem estarem a ser lançadas bolas de aço contra as autoridades, pedindo ainda aos habitantes da cidade que se afastem das zonas de confronto. Por outro lado, a agência EFE escreve que pelo menos três estudantes foram detidos na sequência destes distúrbios. Segundo o El Mundo há ainda um polícia ferido.

No dia de “greve geral” da Catalunha, a vida não está fácil para quem precisa de se deslocar na cidade. Há várias estradas cortadas, estações de metro encerradas e a circulação de autocarros é escassa.

Entretanto, o presidente do governo autónomo da Catalunha, Quim Torra, aplaudiu a “força cívica e pacífica do movimento”, demonstrando agrado pelo apoio demonstrado. Por outro lado, o primeiro-ministro espanhol em funções — num vídeo também publicado no twitter — ao referir-se aos atos de vandalismo garante que não haverá “espaço à impunidade” e defendeu o direito à manifestação pacífica.

Ao início do dia a atmosfera era de festa e convívio com pessoas de todas as gerações e com vários cartazes a pedir a “libertação dos presos políticos”. À cabeça da manifestação estava um cartaz com a palavra de ordem “Pelos direitos e liberdades, greve geral” com o logótipo dos sindicatos que convocaram a concentração.

Os independentistas consideram que os condenados pelo Tribunal Supremo são “presos políticos”, enquanto os defensores da unidade de Espanha afirmam que se tratam de “políticos presos”.

Também esta sexta-feira, o ex-presidente do governo regional da Catalunha, Carles Puigdemont, apresentou-se perante as autoridades belgas, em resposta ao mandato de detenção europeu.

Nos últimos quatro dias, grupos de jovens independentistas têm enfrentado a polícia de forma violenta nas ruas do centro da cidade, provocando estragos em montras, esplanadas, contentores e automóveis.

Os movimentos de protesto começaram na segunda-feira, depois ser conhecida a sentença contra os principais políticos catalães responsáveis pela tentativa de independência em outubro de 2017. Os juízes decidiram condenar nove deles a penas até 13 anos de prisão por delitos de sedição e peculato. Depois do anúncio da sentença, os independentistas têm feito cortes de estradas e de linhas de caminho-de-ferro um pouco por toda a Catalunha.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tiros, detidos e feridos em dia de greve na Catalunha

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião