Seguros de saúde: como assegurar a sustentabilidade dos benefícios?

AdvanceCare, Multicare e Médis debateram os desafios de um futuro sustentável no setor segurador de saúde, na 1.ª conferência da Willis Towers Watson sobre saúde e benefícios.

Os empregadores portugueses gastam 15% da massa salarial em benefícios e o seguro de saúde é o seguro mais utilizado em Portugal, disponibilizado por 89% das empresas. Estes são alguns dos números do “Estudo Tendências em Benefícios“, que analisou as respostas de mais de 4.000 empresas em todo o mundo, e que foi desenvolvido este ano pela Willis Towers Watson (WTW) e apresentado na 1.ª conferência Willis Towers Watson sobre saúde e benefícios, que decorreu esta sexta-feira na Nova SBE, em Carcavelos, integrada no Greenfest.

No debate “Sustentabilidade dos benefícios – um olhar para o futuro“, os representantes das seguradoras AdvanceCare, Multicare e Médis, e da própria Willis Towers Watson — que assume um papel mediador entre as seguradoras e as empresas — falaram sobre as tendências do setor e refletiram sobre a possibilidade de um futuro sustentável na área dos seguros de saúde.

Como garantir a sustentabilidade dos benefícios?

Os problemas de saúde mental afetam uma em cada seis pessoas na União Europeia, e Portugal é o quinto país da UE com maior incidência deste tipo de doenças. A procura por seguros de saúde cresce, fazendo com que os benefícios em saúde sejam, hoje, o mais procurado pelos colaboradores nas organizações.

A saúde “é um dos benefícios que está mais exposto à pressão dos custos”, devido aos hábitos de consumo ou à facilidade de acesso aos seguros privados, explica Alexandre Falcão, senior consultant da WTW. Na Europa, 44% das seguradoras identificam as doenças do foro da saúde mental como uma das três principais patologias dos próximos três anos.

Para as seguradoras, “a informação é um fator essencial para tomar as melhores decisões e para as sustentar”, sublinha Alexandre Falcão. E, os próximos anos, acrescenta, vão exigir “investimento de tempo, alguma criatividade e envolvimento dos parceiros e dos fornecedores dos benefícios”, tendo sempre como objetivo um futuro sustentável.

Mas como garantir a sustentabilidade dos benefícios? O seguro de saúde é o tipo de seguro com maior prevalência em Portugal, mas com o envelhecimento da população, a fatia crescente de clientes urbanos e o desenvolvimento da tecnologia estão a desafiar o setor das seguradoras. José Pedro Inácio, CEO da AdvanceCare, acredita que os colaboradores nas organizações são cada vez mais exigentes. “Têm muito mais educação”, o que se manifesta numa “tendência macro, mas que tem influência nos seguros de saúde”, reforça. “Não podemos ser só os financiadores do tratamento, temos de estar presentes do momento A até ao momento final”, reforça.

“Se as doenças forem detetadas mais cedo, os custos serão muito menos”, defende José Pedro Inácio. Para Maria João Sales Luís, membro da comissão executiva da Multicare, é urgente levar as pessoas a adotar estilos de vida mais saudáveis e “educar os recursos humanos para uma vida sustentável”, refere.

“Estar antes da doença”

Qual a visão para o seguro de saúde e para os benefícios das empresas?”, é a pergunta a fazer quando se pensa na saúde dentro das organizações, defende o CEO da AdvanceCare. Para José Pedro Inácio, a saúde tem deve ser considerada “um investimento”. Por isso, as empresas têm de deixar de ver estes temas como custos e passar a considerá-los “questões de longo prazo”, numa perspetiva de prevenção.

Um dos desafios é a “mudança do paradigma de mentalidades”, sublinha Natália Bernardo, senior consultant da WTW. “As pessoas têm de saber onde querem estar “e decidir se querem “estar num seguro para prevenir riscos no futuro”, ou “para situações imediatas de consumo”, alerta. “O bem-estar é algo que queremos ter no momento presente, e garantir que vai acontecer no futuro para a população em geral”, acrescenta Pedro Correia, da comissão de gestão da Médis.

"Quanto melhor conhecermos o comportamento das nossas empresas, mais podemos ajudar a desenvolver estes programas.”

Natália Bernardo

senior consultant da WTW

Para a representante da Multicare, é preciso “estar antes da doença”. “É necessário incentivar e premiar quem tem a missão de se manter saudável”, reforça Maria João Sales Luís.

A Médis aposta na prevenção com o “Plano Empresa Saudável“, através do qual se incentiva o rastreio de doenças crónicas, oncológicas ou diabetes. A Multicare tem apostado em plataformas médicas remotas que permitem aos utilizadores ter acesso a cuidados primários, de bem-estar, nutrição, e tabagismo. Não há prevenção sem boa comunicação. “Se não tivermos a abertura para desenvolver planos de comunicação interna, pouco ou nenhum sucesso vamos ter”, reforça Pedro Correia.

Saúde: o benefício que as empresas (e os colaboradores) procuram

“A sustentabilidade dos benefícios é algo que preocupa bastante as organizações em Portugal. Existe uma utilização e uma procura cada vez maior dos benefícios enquanto complemento salarial ao package que os colaboradores têm”, sublinha o head of health & benefits da Willis Towers Watson.

A comunicação pode ser a chave para conseguir identificar as “verdadeiras dores da empresa”, exemplifica Natália Bernardo. O setor dos seguros deve ter um “papel pedagógico”, disponibilizando mais informação às organizações. “Quanto melhor conhecermos o comportamento das nossas empresas, mais podemos ajudar a desenvolver programas”, sublinha Natália.

Para “mudar hábitos” é preciso “repetir novos comportamentos”, reforçou Pedro Norton de Matos, fundador do Greenfest e orador que procedeu o debate. “É o “r” de reduzir, é o “r” de reduzir o risco”, rematou o fundador, fazendo um paralelismo entre o ADN do Greenfest e a urgência na sustentabilidade dos benefícios em saúde, em Portugal e no mundo.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Seguros de saúde: como assegurar a sustentabilidade dos benefícios?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião