Altice acusa Anacom de “ataque sem precedentes” à propriedade privada

  • Lusa
  • 22 Outubro 2019

A Altice Portugal enviou uma carta ao Governo, classificando de "ataque sem precedentes" à propriedade privada o acesso às condutas e postes da Meo.

A Altice enviou uma carta ao Governo sobre o que classifica de “ataque sem precedentes” à propriedade privada por parte da Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) no acesso às condutas e postes da Meo pelos outros operadores, disse à Lusa uma fonte da empresa.

Em causa está o sentido provável de decisão (SPD) da Anacom sobre o acesso às condutas e postes da Meo pelos outros operadores, no qual o regulador introduz alterações às instalações de drop de cliente, ou seja, a instalação do troço final da rede até à casa do cliente, entre as quais esta não implica o envio à Meo de qualquer notificação prévia ou posterior, nem o pagamento de qualquer compensação.

Vai mais além do que figuras como a requisição, expropriação ou a nacionalização que, apesar de consistirem em restrições severas ao direito de propriedade, só são admitidas em casos justificados e sempre dependentes da atribuição da justa ou correspondente indemnização”, adiantou a mesma fonte.

Além disso, a Altice Portugal salientou que o regulador “pretende, num cenário em que as condições de segurança dos postes da Meo se vão degradar, fruto do modelo de acesso livre e gratuito, obrigar a Meo a repor as condições de segurança dos seus postes, a pedido dos operadores, num prazo inexequível, sob pena de pagamento de uma penalidade por se atrasar a conservar a sua infraestrutura, na qual também tem a sua rede instalada”.

Um dos exemplos dados é o caso de um operador que aceda a um poste da Meo para instalar um cabo de drop de cliente sem avisar a operadora da Meo e que durante a sua instalação danifique o poste. Para a Altice, “é praticamente impossível” detetar este tipo de situações e a origem do dano.

Acresce que depois de o poste sofrer danos, o operador notifica a Meo para repor as condições de segurança do mesmo e esta é obrigada a fazê-lo no prazo de cinco dias úteis, sob pena de lhe ser aplicada uma penalização, sem que o responsável pelo dano seja obrigado a pagar qualquer valor que suporte, ainda que parcialmente, a reparação que pediu, refere a empresa.

Para a Altice Portugal, a “desproporcionalidade” do SPD “é ainda agravada pela forma como a Anacom pretende deliberar sobre os prazos de cumprimento e valor das penalidades, discriminando negativamente a Meo face aos restantes operadores”. A Meo incorre numa penalização de 50 euros por cada dia de atraso, até ao máximo de 60 dias (3.000 euros), enquanto os operadores, se não cumprirem o prazo definido nas ofertas para o envio de cadastros, incorrem numa penalidade que, no máximo, atinge 325 euros.

Na carta enviada ao Governo, a Altice Portugal refere que não deixará de recorrer aos mecanismos legais para defender os seus direitos e interesses.

No início de agosto, num encontro com jornalistas, o presidente executivo da Altice Portugal, Alexandre Fonseca, tinha avançado que a empresa iria contestar este projeto de decisão em todas as instâncias, desde tribunais nacionais como também Bruxelas. A Meo conta com cerca de 11 milhões de postes.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Altice acusa Anacom de “ataque sem precedentes” à propriedade privada

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião