Nuno Artur Silva já vendeu a Produções Fictícias ao sobrinho

  • ECO
  • 23 Outubro 2019

O ex-administrador da RTP, Nuno Artur Silva, disse à TSF que já vendeu a parte que detinha na Produções Fictícias, a empresa que fundou em 1993. Toma posse este sábado como secretário de Estado.

Nuno Artur Silva garantiu que já vendeu a Produções Fictícias, a empresa que fundou em 1993. André Machado Caldeira, sobrinho do futuro secretário de Estado, e Michelle Costa Adrião são os novos proprietários da produtora e do Canal Q. Este era visto como um impedimento à sua tomada de posse como secretário de Estado do Cinema, Audiovisual e Media, marcada para o próximo sábado.

Em declarações à TSF, o antigo administrador da RTP indicou ter vendido “a empresa às pessoas que a geriram nos últimos anos”, nomeadamente desde 2015, quando assumiu o pelouro dos conteúdos na estação pública. O novo governante não deu mais detalhes acerca da operação nem dos compradores.

Nuno Artur Silva e a mulher, Ulla Madsen, venderam as quotas da Produções Fictícias a André Machado Caldeira por 150 mil euros — que além de diretor executivo do canal Q é sobrinho do futuro secretário de Estado –, e a Michelle Costa Adrião, diretora financeira da produtora, no valor de 30 mil euros, avança o Observador (acesso livre).

Segundo o Observador, o contrato de cessão de quotas foi realizado a 18 de outubro, três dias antes de se saber que Nuno Artur Silva seria o futuro secretário de Estado do Cinema, Audiovisual e Media. No entanto, esta venda não deverá impedir que se realizem contratos entre a Produções Fictícias e o Estado nem a participação da produtora em concursos públicos, já que o laço de parentesco que une Nuno Artur Silva e André Machado Caldeira não constitui nenhuma ilegalidade por lei.

Ao abrigo da lei da transparência para detentores de cargos públicos, sobrinhos, primos, sogros, genros ou noras de detentores de cargos políticos não estão abrangidos por quaisquer restrições na participação em contratos ou concursos públicos.

Os 19 ministros e respetivos 50 secretários de Estado, entre os quais está Nuno Artur Silva, vão tomar posse este sábado. O homem que foi afastado da estação pública devido à própria participação na Produções Fictícias vai ficar responsável, entre outras coisas, pela própria RTP, da qual o Estado é o único acionista.

(Notícia atualizada às 17h33)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nuno Artur Silva já vendeu a Produções Fictícias ao sobrinho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião