Nuno Artur Silva, da administração da RTP a secretário de Estado de António Costa

O nome de Nuno Artur Silva, fundador da "Produções Fictícias" e ex-administrador da RTP, foi uma surpresa na lista dos novos secretários de Estado do Governo de António Costa.

Se houve surpresas na lista dos novos secretários de Estado do próximo Governo de António Costa, uma delas foi protagonizada por Nuno Artur Silva. Amplamente conhecido no setor dos media, vai assumir a liderança da nova secretaria de Estado do Cinema, Audiovisual e Media, enquadrada no Ministério da Cultura, que continua a ser conduzido por Graça Fonseca.

Nuno Artur Silva fundou a “Produções Fictícias” em 1993, uma empresa focada nos conteúdos humorísticos e que esteve envolvida em projetos como o Herman Enciclopédia, os Gato Fedorento, os Contemporâneos e Inspector Max. Mas celebrizou-se como apresentador do programa de análise política O Eixo do Mal, emitido pela SIC Notícias e protagonizado por Clara Ferreira Alves, Pedro Marques Lopes, Daniel Oliveira e Luís Pedro Nunes.

Em 2015, Nuno Artur Silva chegou ao Conselho de Administração da RTP, a estação pública de rádio e televisão. Foi substituído n’O Eixo do Mal por Aurélio Gomes, o apresentador até aos dias de hoje, assumindo na RTP o pelouro dos conteúdos.

Deixou o board da empresa pública no ano passado, depois de um diferendo espoletado pela Comissão de Trabalhadores. Em causa, o facto de Nuno Artur Silva manter-se proprietário da “Produções Fictícias” mesmo depois de ter prometido vender a posição quando assumiu o cargo na administração, algo que não chegou a fazer.

Face a isto, o Conselho Geral Independente da RTP não reconduziu Nuno Artur Silva para um novo mandato de três anos, uma decisão justificada pelo órgão com uma incompatibilidade provocada pela “irresolução do conflito de interesses entre a sua posição na empresa e os seus interesses patrimoniais privados”.

Largos meses depois, Nuno Artur Silva entra novamente em cena. Desta vez, no Governo, com a pasta da secretaria de Estado responsável pelo cinema, pelo setor audiovisual e pelos media.

E Nuno Artur Silva já avançou que pretende vender a sua quota nas Produções Fictícias antes de assumir o cargo de secretário de Estado do Cinema, Audiovisual e Media no novo Governo de António Costa. “No momento em que tomar posse como secretário de Estado, já não serei accionista das Produções Fictícias e consequentemente do Canal Q”, garantiu ao Público.

(Notícia atualizada às 19h15 com informação avançado pelo Público)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nuno Artur Silva, da administração da RTP a secretário de Estado de António Costa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião