Um quarto dos deputados do PS salta para o novo executivo

  • Lusa
  • 21 Outubro 2019

A lista completa do novo executivo mostra que um quarto dos 108 deputados eleitos pelo PS nas últimas eleições legislativas vai transitar da Assembleia da República para o Governo.

Um quarto dos 108 deputados eleitos pelo PS nas últimas eleições legislativas (27) vai em breve transitar da Assembleia da República para o XXII Governo Constitucional, de acordo com a lista completa do novo executivo divulgada esta segunda-feira.

Na legislatura que está a terminar, também cerca de um quarto dos membros do Grupo Parlamentar do PS, 21 num total de 86, foram exercer funções de ministro ou de secretário de Estado no XXI Governo Constitucional.

Além do primeiro-ministro indigitado, António Costa, há mais 26 casos de transição do parlamento para o executivo, com destaque para os ministros de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, de Estado e da Presidência, Mariana Vieira da Silva, de Estado e das Finanças, Mário Centeno, da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, e da Administração Interna, Eduardo Cabrita.

Da lista de deputados eleitos, vão ainda ser em breve empossados como ministros Alexandra Leitão (Modernização Administrativa e Administração Pública), Graça Fonseca (Cultura), Tiago Brandão Rodrigues (Educação), Ana Mendes Godinho (Trabalho e Segurança Social), Marta Temido (Saúde), João Pedro Matos Fernandes (Ambiente e Ação Climática), Pedro Nuno Santos (Infraestruturas e Habitação) e Maria do Céu Albuquerque (Agricultura).

Já os deputados eleitos que vão tomar como secretários de Estado são os seguintes: João Neves (Adjunto e da Economia), João Torres (Transição Digital), Eurico Brilhante Dias (Internacionalização), Ricardo Mourinho Félix (Adjunto e das Finanças), Maria de Fátima Fonseca (Administração Pública), José Mendes (Planeamento), Susana Amador (Adjunta e da Educação), João Paulo Rebelo (Desporto), Ana Sofia Antunes (Inclusão das Pessoas com Deficiência), Jamila Madeira (Adjunta da Saúde), António Sales (Saúde), João Galamba (Adjunta e da Energia) e José Apolinário (Pescas).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Um quarto dos deputados do PS salta para o novo executivo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião