“Probabilidade de o PSD aprovar o OE é ínfima”, diz David Justino

  • ECO
  • 24 Outubro 2019

O vice-presidente do PSD está pouco confiante no Orçamento do Estado que o Governo de António Costa irá apresentar, tendo em conta o histórico das propostas socialistas.

O vice-presidente do PSD está pouco confiante quanto ao Orçamento do Estado (OE) que o Governo de António Costa vai apresentar para o próximo ano, antecipando um voto contra do próprio partido. Em entrevista à TSF, David Justino falou também nos resultados alcançados pelo PSD nas eleições legislativas, referindo que existem condições para que Rui Rio continue com o plano que tem para o partido e para o país.

“Não posso pronunciar-me sobre uma coisa que não conheço”, começou por dizer o número de dois de Rui Rio, referindo-se à proposta de OE que o PS deverá apresentar. Contudo, admitiu que, tendo em conta o histórico das propostas socialistas, “as probabilidades de votar o orçamento são ínfimas, mas não vou dizer que, independentemente do que apresentem, voto contra”.

David Justino defendeu, assim, que na avaliação das propostas e das políticas do Governo do PS, que toma posse este sábado, deve ser tido em conta o interesse nacional.

Sobre a recandidatura de Rui Rio à liderança do PSD, David Justino comentou que “a lição que tem a tirar é saber com quem é que conta”. Para o vice-presidente do PSD, Rio é um “precursor de uma outra forma de cultura política que põe em causa muito adquirido do chamado politiquês”.

Na sequência dos resultados alcançados nas legislativas, David Justino acredita que “o PSD tem condições que não tinha: tem um grupo parlamentar mais coeso, tem sinais quer da sociedade, quer de sua base eleitoral que permitem acalentar outras visões e outros tipos de abordagem”.

“A segunda lição que tem a tirar é que, não obstante o resultado não corresponder aquilo que desejávamos, nem em termos absolutos, nem em termos relativos, é um resultado que ainda permite precisamente concretizar a estratégia que estava delineada”, defendeu, deixando críticas a quem tem pressa de “transformar um ano e meio em dois anos”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Probabilidade de o PSD aprovar o OE é ínfima”, diz David Justino

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião