Rio é candidato à liderança do PSD para evitar fragmentação. Assume liderança da bancada até fevereiro

Rui Rio volta a candidatar-se à liderança do PSD apesar da derrota que o partido sofreu nas legislativas. Vai ser líder da bancada parlamentar até ao congresso e ganha palco para ser oposição.

O presidente do PSD anunciou esta segunda-feira que se vai recandidatar à liderança do partido. Rui Rio tomou esta decisão apesar da derrota que os sociais-democratas sofreram nas eleições legislativas de 6 de outubro. As eleições diretas no PSD devem ocorrer em janeiro. Para já há três candidatos a disputar a cadeira do líder.

“Estou disponível para disputar as próximas eleições internas e conduzir o PSD nas próximas eleições autárquicas”, disse, numa conferência de imprensa, a partir do Porto. Rio frisou que teve de ponderar entre a sua vida pessoal e os apelos que recebeu “de dentro e de fora” do partido.

O líder social-democrata sustentou que a sua “não recandidatura pode levar o partido a uma grave fragmentação”, que o país precisa de uma “liderança [no PSD] que defenda a social-democracia, no centro político”.

Nas legislativas, o PSD obteve 27,7% dos votos, o equivalente a 79 deputados, contra 36,3% do PS, o que corresponde a 108 deputados.

E apesar dos resultados, Rio tentou capitalizar estes números. “Os quase 28% significam que 1,5 milhões de portugueses confiaram nesta liderança”, afirmou.

Rio assume liderança da bancada parlamentar e ganho palco

Na mesma declaração, Rio anunciou que assumirá até ao congresso de fevereiro a liderança da bancada parlamentar por considerar que nesta função tem de estar alguém alinhado com a liderança do partido. O presidente que sair do congresso escolherá quem vai ficar à frente da bancada. “Assumirei eu próprio a liderança da bancada”, anunciou.

Até lá “não há reformas estruturais” para decidir, disse. Há programa de Governo e Orçamento do Estado, um palco que dará a Rio a possibilidade de se afirmar no Parlamento pela primeira vez como líder do maior partido da oposição.

O anúncio de Rio foi já aproveitado para começar a fazer campanha contra os seu adversários. Falou do “golpe de janeiro” quando Luís Montenegro desafiou Rui Rio e disse que não precisava de alguns apoios no PSD — que até era melhor que não chegassem.

Rui Rio deixou sempre em aberto o que faria depois das eleições no caso de sair perdedor e até esta segunda-feira, cerca de duas semanas depois da ida à urnas, ainda não era conhecida a sua decisão. No entanto, na noite eleitoral desvalorizou os resultados.

Assumiu que o PSD não alcançou o principal objetivo, de vencer as legislativas, mas defendeu que não se tratou de “uma grande derrota”, explicando o resultado pela conjuntura económica internacional favorável ao Governo, pelo surgimento de novos partidos à direita, mas também pelas sondagens que terão “desmotivado” os eleitores sociais-democratas e pela ação dos críticos internos.

O resultado do partido fez reacender a instabilidade interna entre os sociais-democratas. Luís Montenegro, antigo líder da bancada parlamentar do PSD, já anunciou que é candidato à presidência do partido e Miguel Pinto Luz, ex-líder da distrital de Lisboa do PSD, também.

O clima de divisão interna foi evidente quando o ex-Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, enviou uma reação à Lusa comentando os resultados do PSD onde se revelou “entristecido” e onde lançou o nome de Maria Luís Albuquerque. A ex-ministra das Finanças de Passos Coelho não avança mas apoia Luís Montenegro.

“O resultado que o PSD obteve no passado domingo [6 de outubro] foi um mau resultado. A estratégia política falhou, como já tinha sido evidenciado nas Europeias, e agora com um resultado que já não tínhamos há 36 anos, muito mau, que deixa ao PSD muito pouco espaço“, disse Luís Montenegro para justificar a decisão de se candidatar.

Já o vice-presidente da Câmara Municipal de Cascais anunciou ser candidato e prevendo que as diretas de janeiro sejam uma “uma oportunidade para o reencontro com as verdadeiras aspirações dos portugueses”. Pinto Luz acredita poder conduzir “um projeto político capaz de ser alternativa ao projeto socialista”.

(Notícia atualizada)

 

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rio é candidato à liderança do PSD para evitar fragmentação. Assume liderança da bancada até fevereiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião