PS ganha sem maioria absoluta. Direita sofre derrota pesada e PAN dispara

António Costa venceu as eleições legislativas, sem maioria absoluta, e Rui Rio ficou em segundo lugar.

Noite eleitoral do PS no Hotel Altis - 06OUT19

O PS venceu as eleições legislativas, sem maioria absoluta, e o PSD ficou em segundo lugar, no que foi um dos piores resultados de sempre para o partido. Na próxima legislatura haverá três partidos novos no Parlamento, o Iniciativa Liberal, o Livre e o Chega, que elegeram, cada um, um deputado.

Com todas as freguesias apuradas, falta apenas o resultado dos consulados. Os socialistas conseguiram recolher 36,65% dos votos. Estão eleitos 226 dos 230 deputados, sendo que o PS tem já 106 mandatos. As sondagens da RTP e da TVI não davam a maioria absoluta aos socialistas. Apenas a sondagem da SIC admitia esta possibilidade, caso se confirmasse o melhor dos cenários.

De acordo com a sondagem da RTP, feita pela Universidade Católica, o PS teria entre 34% a 39% dos votos, o que corresponde a 104 a 112 mandatos. A sondagem feita pela Pitagórica para a TVI indicava que o PS teria entre 34,5% e 38,5%, o que corresponde a um número de deputados entre 100 e 112. A sondagem da SIC, feita pelo ICS/ISCTE era a única que admite num certo cenário que o PS possa governar sozinho, ao dar entre 36% e 40%, o que garante entre entre 105 e 117 deputados.

Freguesias Apuradas: 3092 / 3092 100%
  • PS 36.65%
    (1866407 votos) 106 mandatos
  • PPD/PSD 27.9%
    (1420553 votos) 77 mandatos
  • B.E. 9.67%
    (492487 votos) 19 mandatos
  • PCP-PEV 6.46%
    (329117 votos) 12 mandatos
  • CDS-PP 4.25%
    (216448 votos) 5 mandatos
  • PAN 3.28%
    (166854 votos) 4 mandatos
  • CH 1.3%
    (66442 votos) 1 mandatos
  • IL 1.29%
    (65545 votos) 1 mandatos
  • L 1.09%
    (55656 votos) 1 mandatos

O partido de Rui Rio teve um dos piores resultados de sempre, mas mesmo assim não ficou abaixo do resultado registado em 1983. Alcançou 27,90% dos votos, elegendo 77 mandatos.

Todas as sondagens indicavam que o PSD teria menos deputados face à legislatura que agora termina. Na sondagem da RTP, o PSD teria entre 27% e 31% (74 a 82 deputados), na da TVI 24,6% a 28,6% (68 a 78 deputados) e na da SIC conseguia 24,2% a 28,2% (72 a 82 deputados).

Também o CDS é penalizado. Tal como previsto nas sondagens, o grupo parlamentar dos centristas encolheu para três vezes menos. Com 4,25% dos votos, conseguiu apenas cinco deputados.

PCP perde, BE mantém e PAN dispara

À esquerda, o PCP perdeu deputados face aos atuais 17. Caiu para 12 deputados, tendo recolhido 6,46% dos votos. Já o Bloco de Esquerda manteve o número de mandatos, apesar de as sondagens indicarem que poderia ver a sua posição reforçada. O partido liderado por Catarina Martins continua com 19 deputados, obtendo 9,67% dos votos.

O PAN ganha em toda a linha, como já previam as três sondagens. Na atual legislatura o PAN tinha um deputado e, tendo alcançado 3,28% dos votos, agora passa para quatro deputados.

Há quatro anos, a coligação PSD/CDS conseguiu 36,86% dos votos e o PS teve 32,31%. O Bloco de Esquerda teve 10,19% dos votos e o PCP conseguiu alcançar 8,25%. O PAN obteve 1,39% dos votos. No entanto, depois das eleições, o PS conseguiu o apoio parlamentar do BE, PCP e Verdes o que lhe permitiu governar.

três partidos novos que passam a ter representação parlamentar. É o caso do Iniciativa Liberal, que leva para o Parlamento João Cotrim Figueiredo, do Chega, que elege André Ventura, e do Livre, com Joacine Katar Moreira. Fica de fora da equação o Aliança, que, com 0,77% dos votos, não conseguiu eleger nenhum deputado.

As sondagens feitas durante a campanha eleitoral apontavam para uma vitória do PS, mas sem maioria absoluta. O PSD reunia nestas sondagens menos votos do que o PS, mas ao longo da campanha o fosso foi ficando mais curto.

(Notícia atualizada)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PS ganha sem maioria absoluta. Direita sofre derrota pesada e PAN dispara

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião