Bruxelas autoriza joint venture entre Crédit Agricole e Abanca que operará em Portugal

  • Lusa
  • 28 Outubro 2019

A joint venture entre o Crédit Agricole e o Abanca estará “sediada em Espanha e atuará no setor dos seguros não-vida em Espanha e em Portugal.

A Comissão Europeia autorizou esta segunda-feira a criação de uma ‘joint venture’ (projeto comum) entre os bancos francês Crédit Agricole e espanhol Abanca para o setor dos seguros em Espanha e Portugal, considerando que não afeta a concorrência comunitária.

Em comunicado, a Comissão Europeia dá conta da ‘luz verde’ ao abrigo do regulamento das concentrações comunitárias, notando que a ‘joint venture’ em causa, a Abanca Generales Seguros e Reaseguros, estará “sediada em Espanha e atuará no setor dos seguros não-vida em Espanha e em Portugal”.

“A Comissão concluiu que a concentração proposta não suscita preocupações em termos de concorrência, dadas as quotas de mercado moderadas das empresas em causa nos mercados relevantes”, aponta o executivo comunitário.

Num comunicado de imprensa divulgado em julho deste ano, o Crédit Agricole indicava que iria adquirir 50% do capital da Abanca Generales de Seguros y Reaseguros para concretizar a operação, sendo que o restante capital é do Abanca.

Envolvidas nesta operação estão então as empresas francesa Crédit Agricole Assurances, detida pelo Crédit Agricole, e a espanhola Abanca Division Inmobiliaria, do Abanca Corporación Bancária. Enquanto a primeira opera nos setores bancário, de seguros e imobiliário, a segunda atua na banca de retalho, no financiamento ao consumo e na gestão de ativos e seguros.

Em Portugal, o Abanca conta atualmente com 70 balcões, presentes em 16 distritos, e com 500 colaboradores (os que foram integrados do Deutsche Bank e os que já estavam com o Abanca Portugal).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bruxelas autoriza joint venture entre Crédit Agricole e Abanca que operará em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião