António Varela desiste de ser chairman do Crédito Agrícola após dúvidas do supervisor

  • ECO
  • 7 Outubro 2019

Banco de Portugal tinha levantado dúvidas sobre a proposta de António Varela para presidir ao conselho de administração do Crédito Agrícola por ser acionista de empresa que é parceira do Banco CTT.

António Varela acabou por desistir de ser o próximo chairman do Crédito Agrícola, cargo para o qual havia sido proposto em março. Isto aconteceu depois de o Banco de Portugal ter levantado dúvidas sobre o facto de ser acionista de uma empresa que é parceira do concorrente Banco CTT. Foi a demora no processo de aprovação pelo supervisor levou Varela a não esperar mais pela luz verde para iniciar funções.

O próprio António Varela confirmou a desistência ao Expresso (acesso livre). Tendo em conta toda a espera, “tinha a intenção de apresentar a renúncia às funções na Caixa Central do Crédito Agrícola”, referiu o antigo administrador do Banco de Portugal àquele jornal. A renúncia será formalizada esta semana.

Na passada sexta-feira, o Jornal Económico (acesso pago) tinha dado conta de que António Varela arriscava um chumbo do supervisor liderado por Carlos Costa, que tinha levantado dúvidas relacionadas com o facto de ter 50% de uma start-up, a Netinvoice, de intermediação de compra e venda de faturas passadas por empresas de pequena dimensão, que começou por ter o Banco CTT como principal parceiro.

Ao Expresso, António Varela disse que a carta de renúncia já estava escrita mesmo antes da notícia do Jornal Económico e que se encontrava na sua advogada para avaliação.

António Varela fez parte da lista que venceu as eleições para o Crédito Agrícola, liderada por Licínio Pina. Todos os nomes eleitos para os órgãos sociais do banco receberam luz verde do Banco de Portugal, à exceção de Varela.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

António Varela desiste de ser chairman do Crédito Agrícola após dúvidas do supervisor

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião