Louis Vuitton oferece 14,5 mil milhões pela Tiffany

O negócio do luxo poderá mudar com um novo gigante no setor. O interesse, noticiado este fim de semana, já foi confirmado por Bernard Arnault e as duas empresas estão agora em conversações.

A francesa LVMH, dona de marcas como Louis Vuitton ou Bulgari, quer comprar a joalheira norte-americana Tiffany & Co. A notícia foi avançada no fim de semana pela Bloomberg e confirmada esta segunda-feira pelo CEO da empresa, Bernard Arnault. A aquisição poderá envolver o pagamento de 14,5 mil milhões de dólares (cerca de 13 mil milhões de euros).

“À luz dos recentes rumores no mercado, o grupo LVMH confirma que conduziu discussões preliminares sobre uma possível transação com a Tiffany”, anunciou a empresa num comunicado citado pela agência Reuters (acesso livre e conteúdo em inglês). “Não há certezas que estas discussões resultem num acordo”, sublinhou.

A LVMH terá oferecido 120 dólares por ação da Tiffany. O valor, que coloca a oferta nos 14,5 mil milhões de dólares, fica 22% acima do preço de fecho dos títulos na sexta-feira (98,55 dólares por ação).

Tiffany aproxima-se do preço da oferta

Na pré-abertura de Wall Street, as ações aproximam-se da oferta, a disparar para 119 dólares, enquanto a LVMH valoriza 0,5% na praça francesa para 385,20 euros por ação.

A LVMH tem uma ampla capacidade financeira para um negócio deste tipo e esperamos várias sinergias estratégicas e financeiras“, avaliaram os analistas da Cowen. Já a Jefferies vê a proposta como natural já que a “Tiffany é potencialmente a maior «presa» e única marca dos EUA de luxo global”.

Fontes próximas do negócio disseram à Reuters que o grupo submeteu uma oferta preliminar e não vinculativa no início do mês. Por seu lado, a Tiffany contratou advisers para analisar a proposta e ainda não terá respondido. A concretizar-se, esta será a maior aquisição de sempre realizada pela LVMH.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Louis Vuitton oferece 14,5 mil milhões pela Tiffany

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião